Arquivo da categoria: autoconhecimento

Reflexões sobre a Caridade

Sempre me interessei em compreender o que é de verdade a caridade, lendo, estudando, praticando.  Noto que o assunto costuma ser abordado a partir de ideologias, religiões ou doutrinas que buscam combater o mal que assola tantos seres humanos.

O que mais me chama atenção nestas abordagens, entretanto, é constatar como as interpretações sobre o tema ainda estão vinculadas ao mundo externo e não ao mundo interior das pessoas, onde está a semente, o potencial de qualquer caridade.  O tema caridade é complexo, porque envolve algo difícil de se compreender antes de se vivenciar:  a comunhão com nós mesmos e com os outros.

Essa comunhão pode acontecer quando menos esperamos e com pessoas que conhecemos ou não, em situações que nunca imaginaríamos.  Eu me recordo de uma forte experiência que vivi, nos anos 90, durante uma viagem ao Peru.  Eu voltei de um passeio e entrei no ônibus turístico.  Ao sentar em minha poltrona, da janela do ônibus, senti uma repentina e inexplicável força de conexão por meio do olhar que cruzei com um humilde senhor, que se encontrava muito sereno em meio a um grupo de pessoas que tentava desesperadamente vender algo aos turistas.  Ao cruzarmos nossos olhares, em questão de segundos, nossas mãos se uniram através do vidro da janela, num gesto sublime.  Não me pergunte como isso aconteceu, simplesmente aconteceu.  Não consigo descrever em palavras a sensação, o sentimento daquela experiência.

Várias outras situações vivi em minha vida, que independente de intenções ou interesses, geraram um momentum, uma força que se expressa sem palavras, com outras pessoas, com grupos, equipes, familiares, amigos, conhecidos, colegas e, até mesmo, com estranhos que aparecem do nada, como se fossem anjos com a missão de me inspirarem para algo maior, superior ao  cotidiano tão escravizante do sistema em que vivemos, livres de conceitos, expectativas ou definições.

Penso que é impossível viver neste planeta sem interesses, sejam eles os mais mundanos ou elevados.  O que muitas vezes pensamos ser caridade, nada mais é do que a tentativa de seres humanos autômatos e carentes buscarem compensar seus vazios com atos “salvadores”, frequentemente acreditando que estão “ganhando pontos com Deus” e partindo de premissas que valorizam o sofrimento e a dor como remédios inevitáveis para a evolução humana.  Ou seja, muitas vezes, a caridade nada mais é do que uma resposta cultural a um paradigma ou conceito doutrinário, religioso, institucional, criado a partir de crenças humanas limitadas e fortemente vinculadas ao medo, à escassez.

Acredito que a verdadeira caridade começa em como tratamos a nós mesmos e o quanto nos amamos de verdade para, então, podermos receber e dar amor.  Acho oportuno refletirmos sobre outro tema:  a força do inconsciente.  Sabemos, de verdade, o que estamos plantando em nossas vidas? Temos, mesmo, consciência do que plantamos?  Mas este tema, ficará para um próximo post!

O que a sua empresa vibra?

Você já considerou que administrar a sua empresa somente com base nas suas ideias e pensamentos não basta?  Que para atingir resultados realmente benéficos para o todo, a sua empresa precisa ser compreendida por meio do seu padrão vibracional? Não sabe o que eu quero dizer? Então, vou explicar o conceito de padrão vibracional da empresa.

Primeiro, vamos lembrar que tudo no Universo é vibração.  Assim como as células do nosso corpo, a empresa também funciona como as células, pois é um organismo complexo vivo, com seu próprio campo vibracional atômico nuclear.  Essa vibração é uma frequência que carrega tipos de informações.  Dependendo do tipo de informações, haverá um tipo de frequência, de padrão vibracional.  Uma empresa não necessariamente vibra o que os seus donos pensam ou imaginam sobre ela.  Ela vibra muito mais o que seus donos sentem sobre ela e a forma como seus donos se comportam em relação a ela, o que também influencia as outras pessoas que direta ou indiretamente fazem parte dessa empresa.

Os fatos evidenciam que estamos vivendo um cenário de desestruturação econômica e ambiental, exigindo esforços fenomenais no mundo dos negócios éticos, inclusive a revisão de modelos tradicionais de gestão, de caráter mecanicista, que estão superados.  Esses fatos também evidenciam que é preciso rever conceitos e paradigmas sobre empreender e administrar empresas.

Acredito que, cada vez mais, as empresas terão papéis fundamentais na sociedade, no sentido de transformações humanas, necessárias para vivermos novas realidades econômicas, sociais, culturais e políticas em nosso país e em nosso planeta.  Ou seja, os donos e dirigentes das empresas precisarão, cada vez mais, sintonizar-se consigo próprios e com os rumos da humanidade.

O que estou propondo é que você reflita sobre o que a sua empresa vibra. Qual é o padrão vibracional da sua empresa?  Que tipo de progresso a sua empresa revela através dos fatos?  Qual é a percepção dos seus funcionários sobre a sua empresa? Quais recursos, além dos físicos, você considera para tocar o seu negócio? Você percebe o quanto a forma de você encara e administra a sua própria vida afeta a sua empresa?

O padrão vibracional de uma empresa tem muita ligação com os recursos interiores de cada ser que, de alguma forma, faz parte do campo energético daquela empresa, especialmente dos que estão em posições de propriedade/liderança/comando.  Em geral, esses recursos interiores são pouco considerados e, no entanto, eles influenciam diretamente no padrão vibracional das empresas. Ter consciência dos seus próprios potenciais humanos e acioná-los em suas ações empreendedoras/técnico-administrativas pode proporcionar grandes diferenças na vida e nos resultados de uma empresa.

A visão que proponho é considerar a gestão de uma empresa como também uma gestão vibracional, que certamente começa na administração individual dos líderes da empresa, podendo transformar enormemente os resultados de qualquer administrador de empresas.

O empresário que se organiza os seus pensamentos, ideias e também sentimentos tem muito mais chances de êxito na sobrevivência e desenvolvimento de sua empresa diante do cenário que vivemos, inclusive contribuindo com a evolução de si próprio e de outras pessoas.

Objetivo Financeiro:  uma questão que transcende “o exato”.

Neste post, quero explicar mais um pouco sobre o propósito e como funciona a Mesa Radiônica 77 Símbolos Sagrados de Abundância Financeira, que vou chamar de MR77, e a importância da definição do objetivo financeiro, fundamental para a realização da mesa.

Lembro que a MR77 trabalha questões financeiras, monetárias a partir de um objetivo definido, que corresponde a:

  • fatos da vida da pessoa, que são consequências dos estados vibracionais e padrões de comportamento da pessoa ( dívidas, negócios ligados a compra e venda, ausência de projetos, objetivos e metas financeiras, desemprego, empreendimentos sem êxito, falências etc.);
  • estados nos quais a pessoa se encontra (ex.: dificuldades momentâneas com o dinheiro, medos em relação ao dinheiro, contextos de vida que dificultam uma visualização clara dos fatos,  inexistência de táticas/estratégias para a vida material etc.);
  • padrões ou modelos de comportamento que a pessoa adota inconscientemente e que afetam sutilmente e poderosamente a sua vida (inclusive material), tais como:  respostas a traumas, questões espirituais, ilusões, impregnações de estruturas energéticas de pensamento familiar, grupal e coletivo, sistema de crenças limitantes sobre dinheiro, confusão mental e emocional, vícios de interpretação sobre os fatos, entre outros.

A MR77 é indicada para pessoas que estão dispostas a rever a sua relação com o dinheiro e vivenciar uma nova experiência na área material, decidindo assumir mais autorresponsabilidade diante da sua própria vida.  O primeiro passo, é refletir ativamente sobre o seu momento financeiro e escrever um objetivo que seja:

  • específico (focado)
  • mensurável (que possa ser avaliado em termos de êxito)
  • atingível (que seja definido “com os pés no chão”, sem devaneios, ilusões)
  • relevante (em nome de que o objetivo foi definido/que leve em conta valores centrais da pessoa/que faça sentido/que tenha significado para a pessoa)
  • e que considera o tempo (prazo para ser concretizado/visão de curto, médio e longo prazos),

Tudo isso tem o objetivo de iniciar um exercício mental e emocional sobre o lugar que o dinheiro ocupa em sua vida, além de preparar-se para assimilar os “recados” que a mesa propiciará para que comece a colocar em prática novas formas de ganhar, gastar, poupar, investir e fazer circular dinheiro.

É comum existir um emaranhado de informações (confusão informacional) no campo das pessoas que, muitas vezes,  é um impeditivo para elas avançarem (seguirem em frente) ou sairem da estagnação (trazer movimento) no processo de se conectarem com a abundância do Universo, que inclui as questões financeiras.

Esses emaranhamentos, complicações e dificuldades estão ligados aos mais variados motivos que, por meio de orientações que a mesa propicia, chegam ao consciente da pessoa para que os trabalhe, conscientemente, e que estão ligados, basicamente, à iniciativa, objetivos, embasamento, consistência, novas ideias, mudanças, planejamento, questões emocionais, paciência, capacitação, parcerias, sociedades, projetos, espiritualidade, forma de lidar com as crises, recomeços, novos ciclos, autoconfiança, flexibilidade e adaptabilidade.

A MR77 pode dar respostas como também pode ajudar a pessoa a elaborar as suas próprias perguntas sobre o que está por trás da sua atual situação financeira, tais como:  o que me impede de conseguir as conquistas materiais que almejo?  O que está por trás da dificuldade de criar e colocar em prática meus projetos financeiros?  Que lugar o dinheiro ocupa em minha vida? De que forma posso melhorar a minha relação com o dinheiro?  Por que todo o dinheiro que ganho logo acaba?  Por que pensar em dinheiro me deixa tão inseguro(a)? Por que está tão difícil vender meu imóvel? Eu me sinto merecedor(a) da riqueza?

A MR77 envolve um trabalho de conexão com Mestres Ascencionados e Guardiões Terrenos, através de Símbolos Estelares, dentro de Árvores Sagradas.  Canalizada por Rodrigo de Aldebaran de forma exclusiva, genuína, ou seja, sem interferência de símbolos externos, a MR77 é unica, com permissão Divina para ser usada no momento atual do planeta Terra.

Para cada objetivo, é realizada pelo menos uma mesa radiônica por meio do meu trabalho, contando com a participação do meu cliente, que vai se conectar com a sua própria espiritualidade (aquilo que ele acredita como sendo sua família espiritual), refletindo, permitindo-se dar um tempo para si próprio, identificando o que realmente quer mudar em sua vida para melhorar suas finanças, o que fará para alcançar os melhores resultados em relação ao seu objetivo.

Este processo de participação da pessoa é fundamental, permitindo aproveitar melhor o amparo  da MR77, através de orientações e informações que contribuirão para abrir seus caminhos, neutralizar energias e informações deletérias e também projetar e potencializar as infinitas possibilidades para o êxito do objetivo, para o bem do Todo.

Atenção:  a MR77 não é uma garantia de que vá acontecer o que a pessoa quer e sim, garante orientação, direcionamento e despertar para maior consciência e maior lucidez no agir, além de limpeza e purificação no campo da vida material da pessoa.  Cada indivíduo vivencia, de forma única, sua experiência com a MR77, podendo  trabalhar o mesmo objetivo em mais de uma mesa.  A MR77 pode trazer, inclusive, orientações que evideciam que o objetivo almejado não é destinado a acontecer agora, evitando assim que a pessoa gaste seu tempo e energia com esse objetivo, convidando-a a revê-lo ou a considerar outros objetivos.

Também é importante ressaltar que  todo o trabalho realizado com a MR77 está dentro da Lei Maior e da Justiça Divina, ou seja, o trabalho com a mesa radiônica não infringe qualquer Lei Cósmica e, ao mesmo tempo, permite uma revisão, um replanejamento da vida material da pessoa, por meio de uma maior sintonia com o Universo, abrindo caminhos, permitindo o acesso a novas oportunidades e possibilidades, com mais consciência, novas atitudes, novas idéias, novos comportamentos.

Na MR77 são trabalhadas questões que nos limitam em nossa prosperidade material tais como fugas psicológicas, autoenganos, crenças limitantes introjetadas através da formação social, religiosa e cultural, questões cármicas (Lei Universal da causa e efeito) e todos os tipos de estados e situações que nos impedem de entrarmos em sintonia com a abundância, com o belo, com o harmonioso, com o próspero.

A premissa básica da MR77 é que nascemos para vivenciar a abundância em todos os sentidos.  E que, quando queremos de verdade (no consciente e inconsciente) podemos aprender a “quitar débitos” (não só financeiros) de forma saudável, leve, alegre, harmoniosa e feliz.

Portanto, a MR77 é libertadora (e isso não tem preço!), porque cria melhores condições para a pessoa libertar-se de sintonias, frequências, vibrações e fugas criadas por ela mesma, consciente e/ou inconscientemente, ao longo da sua existência. Ao passar pela MR77, a pessoa terá, no mínimo, melhores condições de avaliar o quanto faz sentido o caminho que escolheu para vivenciar a sua vida material nesta experiência que é a vida na Terra.

 

Dinheiro e Consciência: dupla inseparável

O dinheiro, para quase todos nós, é algo ainda vinculado puramente ao materialismo. No entanto, o dinheiro, assim como tudo que existe (inclusive nós e o planeta Terra), está vinculado a algo maior, ao Universo.

A “correria” ou o excesso e acúmulo de atividades no dia a dia, ocupações que assumimos baseadas nas convenções sociais, culturais e religiosas, nos desconectam dessa verdade:  tudo vem de algo maior, que não necessariamente compreendemos, aceitamos ou temos consciência.

Voltando ao tema dinheiro, eu vou lhe propor algumas perguntas e espero que responda honestamente para você mesmo (a): o que é dinheiro para você?  O que você sente e pensa em relação ao dinheiro?  O que você acredita em relação ao dinheiro?  Para que você ganha ou quer ganhar mais dinheiro? Ao que está associado o seu dinheiro? Como é a sua relação com o dinheiro?

Ouso afirmar que fomos todos condicionados a viver na escassez, porque tudo que fazemos ainda gira em torno de necessidades, faltas.  Exemplo: queremos um namorado, porque necessitamos ser amados.  Queremos um terapeuta, porque necessitamos ser curados. Se necessitamos algo, é porque algo falta.  E focamos na falta e não na abundância. E, então penso:  como seria a nossa vida (individualmente e coletivamente) se tivéssemos aprendido, desde crianças, a viver a vida focados na abundância, no que simplesmente é bom, no que é saudável, na alegria, na saúde, na paz, na harmonia, na beleza, na abundância, na colaboração, na generosidade, na nobreza de espírito, sem termos de combater a falta? Sem termos que “lutar” e nos desgastar em nome das faltas?

De novo as perguntas:  qual é a visão você tem da vida e da sua vida?  Quais crenças você tem sobre riqueza, dinheiro, abundância, que você reconhece como sendo realmente suas?  Quais foram as crenças sobre dinheiro que incutiram em sua mente?

A física quântica chama de “colapso da função de onda” a realidade criada pela mente. A partir deste paradigma, toda a escassez do mundo (miséria, pobreza) é nada mais do que criações mentais individuais e coletivas.

Para mudar um sistema de crenças, temos que lidar com a nossa vontade, rever conceitos arraigados, acomodados dentro de consensos, como por exemplo, acreditarmos que corpo, mente e espírito atuam separadamente em nossas vidas.

Somos um todo que envolve o consciente e o subconsciente (sede do inconsciente).  Exemplo:  basta um acontecimento traumático na área das finanças de uma pessoa para que esse acontecimento afete a sua mente e a de todos os envolvidos, podendo inclusive perdurar por gerações.  Assim, nascem os programas de autossabotagem que, muitas vezes, nos impedem de avançar em nossos projetos, atravancando nossos impulsos para vivenciarmos uma vida rica, plena em todos os sentidos.  É dentro de todo esse contexto que está a questão do dinheiro, da abundância.

Muitas vezes, não nos damos conta da visão negativa que temos da vida e da sobrevivência, do trabalho, das conquistas materiais.  Frases como “comer o pão que o diabo amassou”, “ganhar o pão com o suor do teu rosto” ilustram bem como essas visões são reforçadas.  A própria visão condicionada sobre a economia também reforça crenças limitantes sobre o dinheiro, porque estamos acostumados a pensar no dinheiro como sendo algo especulativo, ligado à cobiça, ao medo e à ânsia de poder para a superioridade.

Ao despertarmos desse estado hipnótico, ao nos conscientizarmos dessa visão condicionada, temos mais condições de assumir novas escolhas para a nossa vida que, certamente, afetarão as nossas finanças.  O dinheiro verdadeiro é criado na própria consciência, afinal o que é o “mercado”, senão, todos nós. Enquanto não acreditarmos, de verdade, no poder da nossa mente, enquanto não acreditarmos que podemos aprender e monitorar o nosso inconsciente e escolher novas formas de pensar, agir, ganhar e investir nosso dinheiro, a economia continuará do jeito que está.

Energia, consciência também são informações que podem ser modificadas.  A partir do momento que acreditamos (de verdade) nessa modificação, somos capazes de fazer mudanças verdadeiras em nossas vidas, inclusive na parte financeira.  Concordo com o pensador e palestrante Joan Antoni Melé:  “os problemas do mundo são, no fundo, um reflexo de nossos próprios problemas e contradições e  a única maneira de solucioná-los é resolvê-los em nosso interior”.

Independentemente de você concordar ou não com o que foi abordado neste post, o fato é:  o que você verdadeiramente acredita (no nível consciente e inconsciente) influencia diretamente na sua realidade.  Basta você mesmo constatar por meio dos fatos e da história da sua vida.

 

 

 

 

 

Missão e Dinheiro:  uma compreensão necessária!

Missão não tem a ver com dinheiro.  Mas, o dinheiro tem a ver com a nossa missão! “Como assim?”, você pode se perguntar. Por isso, vou abordar esse tema usando o meu próprio exemplo.

Há dez anos, iniciei uma nova carreira na área da saúde, como profissional liberal, para a qual me dedico e ganho dinheiro com ela, assim como ocorreu com outras carreiras que vivenciei.  No entanto, esta é diferente porque está 100% alinhada com a minha missão.  Como descobri isso?  Quando me dei conta de que o que faço hoje eu faria mesmo de graça.

Dinheiro é maravilhoso quando é decorrente de um movimento que fazemos em nossas vidas em prol daquilo para o qual damos valor.  Um valor que vem de dentro, das entranhas, do coração, muitas vezes, intuitivamente, inconscientemente….

O dinheiro é fatal quando atribuímos a ele apenas o seu caráter físico, monetário, macroeconômico.  Quando uma pessoa diz que a terapia que ofereço “é cara”, eu a convido a refletir:  quanto custa uma terapia é uma coisa.  Quanto vale uma terapia é outra coisa.

A nossa missão de vida se expressa, consciente ou inconscientemente, independente da nossa situação financeira.  No entanto, a nossa situação financeira tem muito a ver com a nossa missão de vida, porque está diretamente ligada ao compromisso que temos com nós mesmos, com o nosso desenvolvimento pessoal, com a nossa libertação de amarras e condicionamentos sociais.

Dinheiro nenhum sustenta uma missão,  porque o dinheiro não paga tudo o que envolve a ação de uma pessoa para realizar sua missão, tais como, coragem, entusiasmo, lucidez, alegria, paz de espírito, libertação do medo e paz interior.

O dinheiro em si não é a causa de uma missão, é a consequência! Para chegar no estágio que estou da minha atual carreira como Coach, Mentora e Terapeuta Holística, sim, eu investi dinheiro.

Este dinheiro representa a construção da realidade que vislumbrei, num processo que envolveu o meu consciente e o inconsciente, nem sempre alinhados, porém, determinados a me manter firme no meu propósito de evolução pessoal.

A dedicação à nossa missão não tem nada a ver com dinheiro.  Dedicação é consequência de entusiasmo com algo.  Quanto vale uma vida de autorrealização?  Haveria como medir isso em valores monetários?  O sentido e o entusiasmo com que fazemos algo não pode ser medido por meio apenas de cifras financeiras.  Exemplo:  se agora eu não tenho dinheiro para fazer uma formação que considero muito valorosa para mim,  não hesito em fazer um empréstimo e acredito que serei capaz de quitá-lo com o dinheiro que vou ganhar ou que uma quantia extra de dinheiro entrará na minha conta para reequilibrar o meu fluxo de caixa.

O dinheiro, quando percebido com uma visão mais ampla, deixa de ser somente moedas, papéis e cifras: ele passa a ser encarado como um campo energético informacional com o qual estamos ou não em ressonância.

Então, você pode me questionar:  como conseguir algo sem dinheiro? E eu respondo:  existe algo que vem antes do dinheiro que precisamos para comprar algo que valorizamos.  Esse algo tem a ver com a forma como estamos em ressonância com tudo que envolve dinheiro e prosperidade.  E então, inevitavelmente, vamos entrar na questão das nossas crenças (conscientes e inconscientes) a respeito do que é autorrealização, viver, sobreviver, ganhar e usar o dinheiro que ganhamos.  Crenças essas, na sua grande maioria, são introjetadas em nosso inconsciente, desde a infância e das quais precisamos nos libertar para começarmos a entrar na verdadeira abundância que a vida nos oferece, inclusive financeira.

A forma como escolhemos e pagamos o preço das nossas escolhas nos trazem muitas dicas sobre o lugar que o dinheiro ocupa em nossas vidas.  O grau de entusiasmo que temos com o nosso trabalho e com o dinheiro também.

Entusiasmar-se com o que se faz e com o que se conquista (inclusive o dinheiro) não tem a ver com aprovações externas.  Tem a ver com o que sentimos dentro de nós, fazendo o que fazemos e o que sentimos com o dinheiro que ganhamos.  O entusiasmo vem do espírito, não da mente.

O dinheiro é um instrumento que precisamos aprender a usar em nossas vidas, independentemente da situação econômica na qual nos encontramos.  Até para transformar uma crise econômica, precisamos rever nosso olhar sobre a forma como vemos e lidamos com dinheiro (microeconomia), nossa visão sobre dinheiro e o lugar que ele ocupa em nossas vidas.

Oportunidades batem em nossa porta o tempo todo. Situações nos permitem criar oportunidades. A questão é se a nossa visão de vida, nossa dimensão de consciência nos permite constatar essas oportunidades.  Descobrir nossa missão é tão fundamental quanto descobrirmos a razão da nossa vida e o porquê da nossa situação financeira estar do jeito que está.

Para sabermos discernir entre o que é o dinheiro e o que é a nossa missão, precisamos ter visão.  Dinheiro e missão andam juntos!  Acredito que este post pode lhe estimular a mergulhar nesta questão.

 

Querer é poder ? Mais reflexões sobre radiônica

Gosto muito de incluir novos posts sobre a radiônica para ajudar meus clientes e qualquer pessoa  interessada a compreender melhor o que é um tratamento com esta terapia.

Minha base teórica e prática sobre radiônica foi construída a partir de vários pesquisadores, professores, entre eles, o mestre Juan Ribaut, com quem tenho tido o privilégio de aprender e ser treinada. Ele há mais de 50 anos pesquisa, pratica e ensina esta arte representada pela radiônica.

Se você tiver interesse em se aprofundar nesse tema, recomendo o livro “Radiônica:  a ciência do futuro”, de Juan Ribaut, Editora Alfabeto, que foi a minha fonte de pesquisa para escrever este post. Com uma linguagem simples e ao mesmo tempo, profunda, entra na essência desta terapia, inclusive na prática. Agora, vamos ao assunto central deste texto?

O componente fundamental da radiônica é a mente treinada, que usa um instrumento radiônico, ou seja, ele funciona a partir da mente treinada. E então você pode se perguntar:  para que serve o aparelho se ele depende da mente de quem o utiliza?  A resposta é:  a radiônica é o conjunto mente treinada-aparelho.  Quando a mente trabalha sozinha não se trata de radiônica.

Primeiramente, precisamos lembrar que todos os seres humanos são “receptores, emissores, transformadores e geradores de frequências” (Juan Ribaut).   O tempo todo estamos, com as nossas mentes, interferindo na vida, na matéria, no Universo.  Essas interferências acontecem tanto no nível consciente quanto no nível inconsciente.

Interferência consciente significa, nas palavras de Juan Ribaut:  “uma mente que tem uma direção, sabe o que quer, é coerente, está convicta de que pode e coloca os meios para algo”.  No entanto, mesmo uma mente sem direção, sem coerência, confusa, medrosa, que acredita não poder, também é capaz de processar mudanças no mundo, só que de uma forma inconsciente e desordenada.  A força desta mente está nas crenças dela, que criam desordem, destruição, escassez, limitação, violência, abusos…E o pior, ela pensa que não está fazendo nada!   A pessoa com uma mente assim pode até querer algo muito bom, porém, incosncientemente, está produzindo desarmonia, o oposto do que pensa querer.

Um detalhe importante:  é  impossível uma mente se isolar, pois nada no Universo é isolado.  Tudo está interconectado e estamos sempre processando mudanças no mundo, de forma consciente ou inconsciente.

Assim, só querer não é necessariamente poder.  É preciso focalizar naquilo que se quer.  Exemplo:  desejar a paz, mas se focaliza em tudo que envolve o medo da guerra, nunca vai ter paz.  Se você quer saúde, mas focaliza em tudo que envolve doença, nunca terá saúde.  Se quer riqueza, mas pensa muito no medo da falta, da escassez, terá mais pobreza.  Em outras palavras:  focar no objeto do medo nos faz acreditar nele e, assim, construímos o contrário do que desejamos.  Querer algo e colocar a nossa mente na direção do contrário desse algo (por medo), nos leva a obter exatamente o que não queremos.

Uma mente treinada é aquela que aprende a direcionar e acreditar naquilo que realmente quer e não o contrário.  Uma mente treinada é aquela que alinha consciente com subconsciente,  pois é no subconsciente que está “a Vida, o instinto, a emoção, a fé, a energia vital. (…) A crença capaz de transformar vem da Mente e da Vida (subconsciente).  Este é o segredo do poder e da radiônica”, afirma o Prof. Juan Ribaut.  Em outras palavras, podemos materializar tudo o que a nossa mente consegue imaginar e realmente acreditar.

E voltando à radiônica:  temos que a mente treinada é capaz de ativar um aparelho radiônico.

Ser radionicista requer treinar a mente, vivenciar e compreender a essência da radiônica, que envolve a interação mente-matéria e a interconexão com tudo o que existe no universo.  Envolve também dedicação, a entrega, treino constante, o entusiasmo, colocar a alma em seu trabalho, reconhecer e aplicar as suas conquistas de controle mental para, então, ter condições de ajudar as pessoas por meio da transferência de informações que vão modificar a pessoa, para melhor e para o bem do todo.  Como terapeuta radionicista, eu só posso oferecer aos meus clientes aquilo que sou capaz de oferecer a mim mesma.

Segundo Juan Ribaut, como ciência, a radiônica está dentro da Teoria Quântica, pois “a ciência Física está chegando ao âmago da matéria, tocando o que na matéria há de vida, inteligência, consciência”.  Quando as teorias quânticas afirmam que a mente influencia a matéria, o subconsciente faz parte desse processo.

Concordo com Juan Ribaut que o controle da mente é o trabalho mais importante a ser realizado no terceiro milênio, pois  controlar a mente é  “aprender a direcionar e acreditar naquilo que realmente queremos e não o contrário”.  Um querer que envolve nos permitir enveredar pelo desconhecido e pelas muitas descobertas do universo da mente, da consciência, de fatos que já aconteceram e os que ainda vão acontecer.

Benefícios e resultados com terapias: o que considerar para evitar frustrações

Cura ou autocura é um tema complexo e que nos remete à seguinte pergunta:  como podemos compreender os resultados obtidos com as terapias holísticas, que nem sempre são tangíveis? Por que as pessoas percebem, de forma tão diferente, os resultados com terapias? Por que um terapeuta que tenha sido “bom” para mim, pode ter sido “ruim” para outra pessoa? Neste post, meu objetivo é abordar estas questões, com base nos meus estudos e experiências de vida e como terapeuta.  

Antes de tudo, é importante ressaltar a importância da escolha criteriosa do terapeuta, levando em conta não só a sua formação, conhecimentos, experiência e profissionalismo, como também a ressonância que precisa existir entre o coração do terapeuta e o coração do seu cliente.  

Assim, a partir desta escolha, lembro que muitas estratégias de tratamentos integrativos/complementares já são providas de comprovação científica, baseada em sólida argumentação pelas Leis da Física. Entretanto, a maior parte das pessoas tenta prever os benefícios das terapias holísticas a partir de critérios estabelecidos pela nossa mente racional e nossa vontade de que todas as mudanças ocorram conforme o nosso desejo e o mais rápido possível.

O que estou considerando, na reflexão proposta neste post, é que nas terapias holísticas estamos falando de tratamentos que mexem com nossas energias sutis, que estimulam a criação de melhores condições para que o nosso potencial humano nos conduza ao que há de melhor para o nosso desenvolvimento psicológico, físico, espiritual, mental e emocional. Inevitavelmente, estes tratamentos vão mexer com a genética das possibilidades, com o nosso DNA energético (que é a maior parte do nosso DNA). Assim, saímos da fatalidade para novas possibilidades. Ao mesmo tempo, devemos aprender a lidar com nossas ansiedades, nossa vontade de fugir ou de evitar os desconfortos inevitáveis quando vivemos a experiência de despertar e experimentar renovações e transformações em nossas vidas – sejam elas provocadas por nossa livre escolha ou pela vida.

A ideia de que possamos passar pela vida sem qualquer desconforto é fantasiosa e até mesmo uma boa desculpa para não trabalharmos a nossa sombra, ou seja, encararmos o nosso inconsciente, que rege a maior parte do que fazemos em nossas vidas.  Por isso, aqui vão alguns pontos que merecem reflexão ao avaliarmos os resultados que obtemos com terapias:

  • Um sintoma pode ser doença ou cura.  Por isso, precisamos ter cuidado ao interpretar sintomas, especialmente quando estamos fazendo um tratamento com terapias integrativas complementares. O que chamamos de “crises de cura” (efeitos de limpeza e purificação através de terapias integrativas/complementares)  podem ser confundidas com piora, regressão, quando, de fato, o que pode estar acontecendo é uma faxina mental e emocional, que pode se manifestar no físico.  Podemos comparar com o processo de reforma em uma casa: dependendo da reforma, as mudanças provocam mais ou menos poeira. Da mesma forma, num processo terapêutico vibracional, quando o consciente de uma pessoa sabota o que o inconsciente quer fazer, a poeira costuma ser grande!
  • O nosso inconsciente carrega a nossa sombra que representa o material psicológico que reprimimos, rejeitamos, negamos ou nos dissociamos. Não adianta “encaixotar” a nossa sombra!  Terapias integrativas complementares, especialmente as vibracionais, nos ajudam a lidar com a sombra que vem à superfície para, então, nos familiarizarmos com ela, nos apropriarmos dela e, posteriormente, eliminarmos os sintomas dolorosos e também vermos a nós mesmos de uma forma mais verdadeira e saudável. 
  • Pode ocorrer da frequência vibracional desencadeada por terapias vibracionais ser tão orgânica que a pessoa em tratamento nem percebe com o seu lado racional ou com os seus sentidos e condicionamentos mentais.  Com base na minha experiência como terapeuta, é frequente pessoas próximas perceberem mudanças que ela mesma não reconhece.   

 

Mas, como encararmos as dificuldades para percebermos as novas possibilidades concretamente?  Na minha visão, é tomando uma decisão verdadeira de ACREDITAR QUE É POSSÍVEL A MUDANÇA QUE QUEREMOS FAZER EM NOSSAS VIDAS.  É reaprendendo a nos perceber. 

Precisamos ficar mais atentos a nós mesmos (não como cobradores ou juízes), experimentando o nosso cotidiano de forma mais ampla, percebendo a nossa vida em outras dimensões.  Podemos descobrir a nossa essência sempre presente, que nos observa e orienta o tempo todo, independente dos nossos estados de consciência, espirituais, de humor, físicos, emocionais, mentais ou do que ocorre à nossa volta.     

Ainda temos muita dificuldade de harmonizar o nosso consciente e subconsciente. Esse é um dos entraves para aproveitarmos e assimilarmos as terapias que fazemos.  Geralmente, nos prendemos ao terapeuta ou à técnica terapêutica, quando o que importa é o efeito do conjunto de ações para aprendermos a lidar com aquilo que nos incomoda e que podemos chamar de promover a  “autocura”

Praticamente falando, o que quero dizer é que quando acreditamos que um terapeuta ou uma terapia não nos trouxe resultados, no fundo, estamos equivocados, pois essa experiência, embora não reconheçamos,  pode inclusive ter nos propiciado melhores condições para encontrarmos outro terapeuta/outra terapia que, na nossa percepção do momento, poderá nos ajudar de uma forma melhor. 

Quando nos submetemos a uma terapia vibracional radiônica, por exemplo, ocorrem revelações, decorrentes dos códigos de saúde que nos são enviados por meio de bioinformações.  Nosso inconsciente é que vai escolher os caminhos a partir desse tratamento.  Não há uma regra ou pressuposto que determine o que exatamente vai acontecer. 

Uma terapia vibracional tem como meta criar as melhores condições para que a pessoa volte mais rapidamente para um estado de maior equilíbrio, de conexão com a sua essência, com o Planeta Terra e, consequentemente, com o Universo, colocando mais vida em sua vida e, portanto, mais saúde.   Medir isso com a mente racional é impossível.     

Na minha visão, o resultado de uma terapia nunca poderá ser avaliado isoladamente.  Ele depende dos vários elementos do conjunto de vida da pessoa e, inclusive, de outras terapias, em andamento ou já realizadas.   

Resultados com terapias vão muito além de promessas e expectativas atendidas no curto prazo.  Envolvem fazermos um balanço, de tempos em tempos, sobre o quanto há de mais vida em nossa vida e os avanços que conseguimos realizar para aumentar o nosso amor próprio, a nossa autopercepção, o nosso autoconhecimento e o nosso autorreconhecimento como seres humanos mais confiantes perante o sentido da nossa existência.