Arquivo da tag: confiança

O confinamento e a solidão

A experiência única que estamos passando através do isolamento social desencadeado pela pandemia do coronavírus nos obriga a abrir mão de vários hábitos, entre eles o de conviver com outras pessoas ou, pelo menos, de estar rodeado delas.  Nesta situação, surgem vários sentimentos, entre eles o de solidão.  No entanto, a solidão pode ser percebida tanto de forma negativa (escassez, vazio, carência)  quanto de forma positiva, como circunstância favorável pela oportunidade de pleno contato consigo mesmo.

Interessante que, quando estamos com outras pessoas, sempre há conflitos de várias naturezas, sejam eles aparentes ou ocultos.  Será que esses conflitos são menores do que os conflitos internos, que somos obrigados a encarar quando estamos isolados?  Tenho refletido sobre o porquê do contato com nós mesmos talvez ser mais difícil do que o contato com outras pessoas.  O que torna tão angustiante o estar isolado?

Cópia de Cópia de Dark Green and Red Public Service Announcements Instagram Post (2)

No meu entendimento, o isolamento pelo qual estamos passando é o efeito de alguma Lei Universal para ficarmos com nós mesmos em um nível de contato mais íntimo, que envolve a nossa alma, com o objetivo de revermos a nossa vida.  Mesmo vivenciando o isolamento social em família ou junto com outras pessoas, somos convidados a compreender melhor toda a complexidade que envolve as relações familiares, incluindo conflitos, desarmonias, incompatibilidades, emaranhamentos, entre outros.  Pois só através de um contato maior com nós mesmos é que poderemos aceitar, compreender e então solucionar esses conflitos de relacionamento, primeiro dentro e depois, fora de nós.

Encarar a complexidade do relacionamento consigo próprio talvez seja mais insuportável do que encarar a complexidade dos relacionamentos com outras pessoas, porque, a forma como eu me relaciono comigo mesma tem influência direta na forma como eu me relaciono com outras pessoas.  E enfrentar a pandemia global do Covid19 nos impõe uma postura de, no mínimo, refletir.  Refletir sobre como anda a nossa vida, os nossos relacionamentos e o que verdadeiramente queremos fazer da nossa vida, inclusive nos autorresponsabilizando por ela.

Acredito que esta oportunidade é única:  cada ser humano na Terra refletir sobre a sua própria vida.  Porque, só encarando a nós mesmos, teremos condições de nos preparar para ações coletivas e, inclusive,  enfrentar as consequências inevitáveis deste acontecimento planetário, que marcará a história da humanidade.

amor ao planeta

O que faremos individualmente e coletivamente para renovarmos nossas crenças, mudar hábitos, enfrentar todas as crises e mudanças que estão por vir, após a pandemia.  Como, depois deste confinamento, vamos olhar e lidar com a ansiedade, perversidade e voracidade que permeiam todo o sistema local e global?  Como encarar as inevitáveis diferenças entre as pessoas e suas interpretações dos fatos, localmente e globalmente? Será possível enxergar o todo sem enxergarmos primeiro o que há dentro de nós mesmos? Como nos tornarmos emergencialmente criativos e livres pensadores se fomos moldados para vivermos vidas autômatas, em função de um sistema pré-formatado? Difícil, no entanto, acredito eu, possível.

O fato de estarmos isolados socialmente não significa estarmos sós. A solidão, em essência, não existe pois sempre há uma egrégora espiritual que nos acompanha, nos guia, na medida em que nos preparamos para nos conectarmos com ela através do trabalho interior e da constatação de que o invisível é mais poderoso do que o visível e de que a nossa vida aqui na Terra é parte de uma jornada maior.

Aproveitemos este momento difícil para avançarmos na nossa capacidade de pensar, refletir, intuir, sentir, perceber…. e assim, encontrar respostas genuínas e não fabricadas pelo sistema comunicacional que impera na sociedade.  Vamos nos comunicar de forma apolítica e universalista, vamos nos solidarizar com nós mesmos e com os outros.  Talvez esta crise seja uma grande e única oportunidade de assumirmos o início de uma mudança completa nos rumos da consciência humana.

Leia também: Medo e a crise do coronavírus

Autodesenvolvimento:  você reconhece o seu?

Este post é para as pessoas que já estão se trabalhando interiormente e que, muitas vezes, se perguntam:  o que realmente conquistei por meio de todo o investimento que fiz no meu trabalho interior?  O que estou de fato conseguindo realizar e transformar em minha vida com a ajuda de terapias?    

Muitas vezes, depois de um longo processo de autodescoberta, nos deparamos com situações que nos levam a estas perguntas, que fazemos para nós mesmos.  É nessa hora que precisamos ficar atentos à forma como avaliamos o nosso autodesenvolvimento, porque existem muitas armadilhas sutis que dificultam nosso discernimento para constatarmos e reconhecermos os avanços que, de fato, fizemos. Estas armadilhas, em geral, estão ligadas a um pensamento automático e muito genérico.  Cuidado!

A vida é feita de ciclos, assim como as estações do ano, as fases da lua, o ciclo da água. As experiências que acumulamos são oportunidades para absorvermos o que delas é útil para a ampliação da nossa percepção da vida. Reconhecer e assumir o que levamos dessas experiências é essencial para descobrirmos o quanto estamos construindo propósitos para as nossas vidas.  Na minha visão, esse reconhecimento não se dá por um raciocínio simplista, do tipo “estou mais ou menos feliz” e, sim, por meio de uma reflexão que nos leve a constatar o quanto a nossa vida está significativa, o quanto vemos e sentimos sentido na nossa vida, ou seja, o quanto nos sentimos capazes  de aprender, estudar, ensinar, criar, realizar.  Não importa a idade cronológica!

Para mim, sentir-se mais ou menos feliz é como a variedade de temperos que temos disponíveis na culinária.  Na minha visão, a questão central da “felicidade” é o quanto eu sou capaz de dar sentido para minha vida, para a minha existência, aceitando as circunstâncias externas e me expressando, principalmente, dentro de mim mesma, do meu mundo interior, apesar da vida ser incontrolável, imprevisível e não oferecer todas as alegrias que eu gostaria de ter.  Felicidade é consequência de como eu lido com a vida como ela é e não como eu gostaria que ela fosse.  Conformismo? Não!  Aceitação? Sim!

Sei que “felicidade” é um assunto polêmico, porque cada indivíduo adota uma concepção, dentro do seu universo interior, do que seja felicidade.  No entanto, vejo como um desperdício de energia e tempo buscar transformar meras idealizações em supostas “felicidades”, porque há uma tendência, imediatista, de não se avaliar, criteriosamente, o que está por trás da “felicidade” tão almejada.  Sabe aquelas frases: “Ah, o dia em que eu tiver isso, serei feliz.  O dia em que eu conquistar aquilo, serei mais feliz.  Se eu não tivesse perdido tal coisa ou tal pessoa, estaria feliz. Eu era feliz e não sabia…” ?!

Identificar o nosso “grau de felicidade” está ligado a vários aspectos, entre eles as questões básicas de qualidade de vida, saúde, recursos para a sobrevivência.  No entanto, só por meio de uma avaliação mais profunda é que podemos acessar a complexidade da nossa própria vida e os recursos de que dispomos para lidar com ela, recursos esses que, na maioria das vezes, desconhecemos.  Começando sobre como vivemos o nosso presente com o que temos e somos.

Entendo que essa avaliação criteriosa do nosso autodesenvolvimento nos permite manter o entusiasmo pela vida com projetos de vida.  Coisa só para jovens?  Não!  Mesmo que não consigamos realizá-los do jeito que idealizamos, os projetos significativos de vida são fundamentais para uma boa existência, vivência.  Mesmo porque, somos cíclicos junto com a vida, o que nos leva a mudar, nos transformar o tempo todo.  A própria vida nos conduz a essas mudanças e transformações.

Nem sempre é simples reconhecermos o nosso autodesenvolvimento.  É preciso coragem (uma vontade real, que vem do coração, da alma) para avaliarmos, o tempo todo, com honestidade, nós mesmos e a nossa vida, descobrir quem somos e como estamos. No entanto, os efeitos dessa avaliação são sempre benéficos, porque nos fazem constatar, pelo menos, o quanto aprendemos, mais um pouco, a viver.  O que, por si só, já é um grande avanço!