Arquivo da tag: inteligência emocional

Terapeuta e Cliente:  um vínculo que precisa ser compreendido  

Depois de 10 anos atuando como terapeuta, decidi escrever este post para expressar a minha visão sobre como vejo o vínculo que se cria entre terapeuta e cliente.  Percebo que, atualmente, existem muitas terapias e técnicas, no entanto, nem sempre temos pessoas que se prepararam e se aprimoraram para trabalhar essas técnicas.  Também existem muitas pessoas interessadas em terapias, no entanto, é comum aparecerem muitas dúvidas na hora de escolher os terapeutas e as terapias. 

10 anos de caminhada como terapueta

O que é ser terapeuta?  A resposta para essa pergunta vai variar muito.  No entanto, acredito que existe um fato na vida de todo o profissional de saúde:  de alguma forma ele foi convocado a fazer um trabalho interior primeiro com ele mesmo para, então, atender as pessoas.  Afirmo isso porque acredito que qualquer profissão é uma reparação, ou seja, de alguma forma nos curamos através do nosso trabalho profissional, que vai nos desafiar de várias formas e também vai fazer florescer os nossos talentos, inclusive os mais ocultos.

Para mim, ser terapeuta é interagir com conhecimentos e técnicas, com a experiência, com a própria sabedoria e espiritualidade e buscar aplicar tudo isso, na prática, da forma mais simples possível.

Penso que a desqualificação do terapeuta desestrutura a vida do terapeuta e a vida do cliente.  Um terapeuta despreparado pode desestruturar tanto o seus chackras quanto os chakras do cliente.  Ter boas intenções, um bom coração, não é suficiente para lidar com a energia e a história do outro.  É preciso trabalho interior, treino, consciência e auto-responsabilidade pelo processo de se tornar e ser terapeuta.

Um dos principais desafios do terapeuta é estar preparado para aceitar o sofrimento do outro.  Mesmo porque, cada um vive o seu processo, ninguém pode viver o processo de outra pessoa.  Quando atendo o meu cliente, tenho sempre em mente que eu jamais poderei fazer por ele (a) o que ele(a) mesmo(a) tem que fazer.  Percebo que muitos terapeutas confundem compaixão com ter que intervir na vida do cliente.  Acredito que terapeutas emaranham mais com os clientes do que clientes emaranham com terapeutas. Portanto, é preciso cuidado para que o terapeuta não se envolva energeticamente com os seus clientes.

Pela minha experiência, percebo que nem sempre o que o cliente fala é importante, porque ele pode estar falando apenas das suas interpretações sobre os fatos de sua vida.  Ou apenas encobrindo fatos que ele não tem coragem de expor.  Por isso, penso que o grande papel do terapeuta é ajudar a pessoa a voltar-se para ela mesma e não para as interpretações que ela faz dos acontecimentos em sua vida.

Assim, lidar com as emoções (que vem do ego) e as informações (ou bioinformações) que estão no campo da pessoa é outro grande desafio do terapeuta.  Quanto trato uma pessoa, estou tratando o campo dela que é composto de energia e informação. Eu tenho que trabalhar em vários aspectos da vida da pessoa, que envolve vários campos sistêmicos.  Da mesma forma, o terapeuta tem que tomar muito cuidado com interpretações.  A interpretação é uma questão delicada nos processos terapêuticos. O terapeuta tem que olhar sentindo, tomar muito cuidado para não cair nas armadilhas da mente, que seduz, engana, ilude.  A interpretação e o excesso de compreensão tiram a força do cliente.  Exemplo:  quando um terapeuta explica demais pode bloquear o campo que está sendo tratado.

Trabalhando várias áreas do campo

Todo terapeuta, uma vez que se dispõe a atender outras pessoas, precisa, antes de mais nada, conseguir, dentro do seu processo pessoal, limpar e curar tudo o que os clientes trazem, que, muitas vezes, é parecido com o que ele sente, pois isso é um chamado da vida para o terapeuta curar primeiro ele mesmo.  Caso contrário, o seu campo de atendimento ficará limitado às suas questões pessoais, que provocarão também limitações no seu campo de atuação como terapeuta.

É muito importante o terapeuta avaliar, constantemente, quais são essas questões, qual a sua responsabilidade nos processos que acontecem na sua vida e limpar essas informações do seu campo.  Também é fundamental o terapeuta  se trabalhar a ponto de não se identificar, para que se torne apenas um instrumento de cura, sem acionamentos emocionais nele mesmo.

Outro cuidado que o terapeuta precisa tomar é o de não alimentar preocupações com o seu cliente, porque a preocupação é uma forma-pensamento que mais atrapalha do que ajuda.  Quando surgem situações difíceis com o cliente, é muito importante estar atento(a) à compreensão e não ao sofrimento ou à preocupação.   A transformação acontece na ação.

É fundamental que o terapeuta se desconecte energeticamente do seu cliente, caso contrário trará problemas tanto para ele (a) quanto para o cliente, como, por exemplo, a dependência.  Com a experiência, o terapeuta vai desenvolvendo uma percepção do campo do seu cliente, e percebe se ele está mais ou menos pronto para acelerar o seu processo de autocura.  O trabalho de um terapeuta tem que ser consciente.  Inclusive para ele se desconectar do cliente.

Entendo que um terapeuta tem que ter força em seu campo (energético e informacional) para sentir-se merecedor e em condições energéticas de atender o seu cliente, como um facilitador.  Caso contrário, haverá a identificação e isso é nocivo tanto para o terapeuta quanto para o cliente.

Por isso, outro aspecto fundamental na vida de um terapeuta é o quanto ele está conectado com a energia da prosperidade, qual é a sua compreensão de abundância, para que o seu campo pessoal possa atuar em níveis superiores.  O terapeuta não atende só com a sua mente.  Ele atende principalmente através da energia do campo.  Assim, no processo de atendimento é necessário atenção e cuidado com as energias intrusas.  Elas costumam se instalar quando a verdade que o campo do cliente traz é encarada de frente, trazendo o que ele precisa trabalhar prioritariamente.  Energias de abuso de qualquer natureza, por exemplo, são portas de entrada para energias intrusas.  Mergulhar na dor também dá espaço para energias intrusas.  Portanto, o terapeuta sempre precisa preparar-se energeticamente para as consultas e tratamentos de seus clientes.

A questão financeira é outro aspecto relevante nos processos terapêuticos.  Observo muitos terapeutas com dificuldades para lidar com a energia do dinheiro:  desde cobrar de forma justa e profissional pelo seu trabalho até administrar as suas finanças.  O terapeuta ajuda, facilita através do seu trabalho e é energeticamente recompensado com o dinheiro.  Ser terapeuta é uma missão e ele ganha dinheiro por consequência.

A auto-responsabilização é outro aspecto relevante de um processo terapêutico.  Tanto o terapeuta quanto o cliente têm responsabilidades a assumir. Alias, é mais fácil o terapeuta mexer no núcleo de problemas dos seus clientes do que nos seus próprios.  Por isso, penso que um terapeuta de verdade é aquele que consegue trabalhar com resultados para si mesmo.  Na medida em que eu me curo, eu ajudo a curar outras pessoas.

Nesse contexto estão as situações chamadas de “urgentes”.  Muitos clientes acreditam que porque pagam um terapeuta, o mesmo vai servi-lo dentro de qualquer necessidade.  Terapeuta não atende urgências.  Quem atende urgências são pronto socorros, hospitais, médicos. E o terapeuta precisa estar consciente de que ajudar o cliente é diferente de submeter-se ao cliente.

O terapeuta é um canal de cura e não é só por meio de palavras que ele age terapeuticamente.  As palavras servem para o esclarecimento.  O trabalho do terapeuta é no campo.  O terapeuta trata sistemas diversos que fazem parte da vida do cliente.  É a maturidade que vai trazendo ao terapeuta uma habilidade cada vez maior de lidar com o seu próprio campo e com o campo do cliente.  Quando estou no campo, estou em outro nível de consciência.  E inclusive posso perceber quando é o ego e quando é a essência do meu cliente que se manifesta.

Aprender a acionar o inconsciente do cliente é a questão de ser terapeuta.  O terapeuta tem que fazer uma estruturação de campo que vai abrir um portal, criar uma ressonância grande para que o campo do cliente possa ser conduzido a novas possibilidades.  O terapeuta sempre tem que estar atento sobre qual ressonância ele está criando nos seus clientes.  Se  os clientes me procuram com questões parecidas com as minhas, é um sinal de que preciso mergulhar nessas questões e tratá-las.  Uma mente poderosa não necessariamente é uma mente preparada.  Há mentes poderosas que penetram as pessoas.  Só ancorado é que o terapeuta pode ser benéfico.  Ou seja, criar ressonância momentânea, se retirar, se reestruturar e honrar a pessoa e a sua história.  O terapeuta tem que tomar muito cuidado para não alimentar o círculo vicioso de prender, aprisionar o cliente.  Terapia não é dependência.

Abrir o portal para novas possibilidades

Na minha visão, o terapeuta tem que estar sempre em formação! Mudar a si próprio, elevar a consciência e discernir sobre o que é preciso focar numa terapia é um grande desafio para o  terapeuta.   Um terapeuta não pode se perder em sua caminhada em nome de atender os seus clientes.  Ou seja, em primeiro lugar vem a caminhada do próprio terapeuta para, então, ele (a) ter condições de cuidar de outras pessoas. O terapeuta tem que olhar para os seus próprios processos dolorosos, ter uma disponibilidade interna para se fazer olhar, aflorar e curar por mais que isso doa…é um trabalho interior que vai até o fim da vida !

Tanto o terapeuta quanto o cliente precisam caminhar expressando sua vida com plenitude e amor. O terapeuta é um facilitador da cura, não a causa da cura.  Para mim, um bom terapeuta é aquele que, independente de conhecimentos, técnicas, protocolos, metodologias, ajuda a ampliar o nível de consciência do seu cliente.

Acredito que, independente de estarmos no papel de terapeuta ou cliente, todos nós estamos aqui para trazer algo libertador para nós e para o mundo.  Temos que ficar atentos para perceber os encadeamentos que o Universo faz para estarmos onde e com quem precisamos estar. Isso vale para terapeutas e clientes!  Ao mesmo tempo, nossos egos (nossas “certezas”) muitas vezes nos levam a caminhos que não necessariamente são saudáveis para nós. Portanto, orai e vigiai.  Interiorização e atenção.  Trabalho interior, hoje e sempre !

Terapeuta e mentora: como faço isso ?

Descobri, há alguns anos, um dos meus maiores talentos:  ver os talentos das pessoas.  Dentro de mim, sempre havia clareza sobre o que uma pessoa poderia fazer de melhor, não importasse o que eu sentisse ou pensasse sobre ela. Atualmente, este talento está intimamente ligado com o meu trabalho de mentora, que sempre é incluído no processo de atendimento dos meus clientes.

60071479 - confused businessman standing on crossroads and choosing way. choice, opportunity, confusion, career, decision and solution concept. eps 8 vector illustration, no transparency

O processo de mentoring envolve as motivações mais profundas das pessoas. Mentoring não é dar simples conselhos e, sim, apontar caminhos, orientar, fazer pensar, abrir alternativas, elevar o ser humano, não importando a situação que ele esteja vivendo ou a forma como ele se vê.

Através do meu trabalho de mentoring, deixo minha intuição e sabedoria de vida fluírem para propiciar a ativação do imenso potencial e possibilidades da pessoa que buscou o meu apoio.  Assim, me sinto transferindo sabedoria que poderá contribuir com a construção de projetos de vida ou profissionais mais satisfatórios para os meus clientes.

Mas como é possível eu transferir sabedoria?  Desejando o bem das pessoas com o coração! Isso  produz  muito resultado positivo, mesmo nas situações mais negativas. Acreditar, de coração, que as pessoas têm um potencial é o que me faz uma mentora em meu trabalho de terapeuta.

A minha escola de vida é a base do meu trabalho como mentora.  Estou falando aqui não da sabedoria ligada a conhecimentos teóricos, técnicas, habilidades, competências.  Estou falando da intenção e da linguagem do coração que, hoje, sou capaz de expressar.  E que expressarei cada vez mais.

Poder auxiliar meus clientes nos processos mais complexos de suas vidas e num clima onde me sinto com liberdade para ser quem eu sou e oferecer o melhor de mim, naquele momento, cria um sintonia que permite que as minhas palavras sejam consequência de algo maior que quero oferecer e transmitir.

Penso que todos nós já somos muito bons em muitas coisas, só que não enxergamos ainda ou demoramos para enxergar.  E, por isso, perdemos muito tempo querendo encontrar as respostas fora de nós mesmos.

Me sinto abençoada por ser uma terapeuta mentora.  Porque, independente de ser a minha atual profissão, me sinto servindo as pessoas.  Com a minha força mental e intenções crio campos tensoriais favoráveis para o despertar do cliente.  Sou apenas um instrumento do Universo.  Não vou gerar resultados ou atender expectativas.  Apenas vou contribuir com o cliente, sem necessariamente ele perceber ou reconhecer essa ajuda.

Parece ilógico? Não, pois como mentora, sou uma atora no palco da complexidade humana para servir, sem pretensões. Como mentora, eu dou de mim.  Sem expectativas ou motivações extrínsecas.

Ser mentora é fazer a diferença na vida das pessoas.  Assim como elas fazem na minha.

MANIA DE ADIAR: VOCÊ SOFRE DESSE MAL?

Nos dias de hoje, com tantas atividades e informações disponíveis, é muito comum pessoas viverem o problema da procrastinação, ou seja, de ter que adiar tarefas, ações, iniciativas, atitudes, deixando-as para depois.

relogio

Atrasar voluntariamente algo que, no fundo, sabemos ser importante, é procrastinação. E quando essa atitude se torna um hábito em nossas vidas, estamos diante de um sinal vermelho, que nos exige um exame de consciência.

Uma das razões da procrastinação é justificada pelo nosso cansaço físico e mental, diante de tantas tarefas, obrigações e pressões do cotidiano. No entanto, existem várias outras que, muitas vezes, nem nos damos conta.

Gosto da classificação simples e direta da psicóloga Camila Martiny, do Laboratório de Respiração e Pânico da Universidade Federal do Rio de Janeiro, que aponta três típicos perfis de procrastinador:

estresse1) o otimista, que sempre acredita que terá tempo de fazer tudo e quando se dá conta de que não será possível, entra em desespero.

2) o impulsivo, que sempre coloca o prazer em primeiro lugar e deixa as atividades que considera não prazerosas para depois.

3) o perfeccionista, aquele que nunca considera o momento como ideal para fazer a tarefa, porque alega querer fazê-la com calma e da melhor maneira possível.

Quando não temos muito claro o nosso propósito de vida, estamos muito mais suscetíveis à procrastinação pois, desta forma, é muito difícil identificar com clareza o que é realmente importante para nós.

O cansaço, que anda junto com a procrastinação, pode ser combatido quando tomamos a decisão de criar uma rotina mais saudável, com intervalos regulares, na qual paramos, nem que seja por alguns minutos, para uma meditação, um lanche saudável, uma olhada para o céu, uma caminhada, qualquer atitude que nos energize, que preserve a nossa energia vital.

O planejamento da semana também é um grande auxiliador para eliminar a procrastinação, pois com planejamento evitamos distrações, como ficar vagando na Internet. Tratamentos com florais de Bach ou Florais do Sistema Joel Aleixo também podem ajudar muito, equilibrando emoções e atuando nas células viciadas que geram o comportamento procrastinador.

Para todos os perfis de procrastinadores, vale o ditado: “o ótimo é inimigo do bom”, pois é nas situações desafiantes e de dificuldades que nos superamos. Normalmente, a procrastinação vem acompanhada do medo: medo de falhar, medo de ser rejeitado, medo de ser abandonado, medo de desafiar a própria mente, entre tantos outros.

E então, agora, pare e pense: qual é a sua tendência de procrastinador ? Depois de você reconhecê-la, ficará muito mais fácil você tomar decisões de ação para combater esse mal.
Espero que descubra rápido e que seus dias sejam sempre repletos de muita ação, força de vontade e renovação.

2015 – um convite à renovação de nossas vidas

2015E chegou 2015!!! Vivemos a pausa dos feriados e nos deparamos com um recomeço do nosso trabalho de sobreviver e cuidar de nós mesmos e da Terra. Os votos de prosperidade são os mais frequentes. No entanto, para cada um, prosperidade significa algo. Mas, um ponto comum para todos é o dinheiro.

Afinal, para nos cuidarmos, precisamos de dinheiro: comprar ou alugar uma casa, comprar alimentos, nos locomover, nos vestir, consultar um médico, estudar, etc. Entretanto, de quanto efetivamente precisamos? Por que desejamos um automóvel ou casa de determinado valor quando outro item similar com valor igual a um terço do que escolhemos nos atenderia? E então, entramos na questão “prioridade”. O que é prioridade para cada um de nós? O que é prioritário para o coletivo ?

Esse tema parece fácil de lidar, no entanto, a nossa cultura pós-moderna nos traz de imediato a resposta de que o que é prioritário é aquilo que nos traz mais prazer e segurança… e comprar acaba sendo o verbo mais aplicado. Nos distraímos das dores e dificuldades e conseguimos mais momentos de prazer e suposta realização e estabilidade. E então, a necessidade de aumentar nosso poder aquisitivo acaba imperando. Nos esquecemos do essencial: o que se passa, de fato, dentro de nós mesmos.

Em nome de aumentar ou pelo menos manter nosso poder aquisitivo, acabamos aceitando ocupações nem sempre coerentes com os nossos valores, objetivos e talentos, pois elas nos oferecem perspectiva de ter mais dinheiro… Nos iludimos de que nas férias ou nas “horas vagas” poderemos fazer aquilo que realmente queremos.

realizacao-pessoal

Dúvidas em relação às nossas escolhas

Só que quando isso acontece, acabamos por limitar a nossa realização pessoal. E se nossa realização pessoal não acontece, é inevitável a frustração. Lembre-se: frustração gera doença! Em outras palavras, quando não estamos fazendo necessariamente o que gostaríamos, perdemos o contato com nós mesmos e, consequentemente, com o coletivo, pois é através dos nossos talentos que contribuímos para a nossa verdadeira prosperidade e para a prosperidade de outras pessoas. Mas precisamos continuar assim? Certamente que não!

Vamos aproveitar este novo ano para revermos o nosso trabalho, as nossas crenças e os nossos valores (sim, valores precisam ser revistos!), pois só assim podemos constatar como estamos com nós mesmos e com os outros à nossa volta. Vamos pensar com as nossas próprias inteligências e reconhecer se estamos precisando de ajuda para pensar melhor. Vamos rever nossas prioridades de vida na Terra e assim nos dedicar profissionalmente a assuntos que nos interessam mais. E assim, vamos acabar com aquela ideia de que trabalho é obrigação e sentir que trabalho pode ser mais realização.

mulher-confi

Avaliar o que em nosso trabalho nos faz feliz

Mas atenção: não se iluda! Escolhas verdadeiras podem significar, muitas vezes, grandes renúncias. Para isso, precisamos nos conhecer cada vez mais, e o suficiente para não recuar!

Que em 2015 possamos avaliar nossas vidas e que, se tivermos a sorte de alcançar uma velhice saudável e proativa, possamos olhar para trás e constatar que não nos fizemos reféns de aspectos puramente sociais, institucionais, culturais, econômicos ou temporários e sim, que vivemos com plenitude o tempo que recebemos de nossas vidas.

Livros esclarecedores e inspiradores

Acesso a novos conhecimentos, revisão de convicções, reflexão, inspiração… sob essa ótica, os livros são verdadeiras fontes de energia, renovando nossa mente elaborada que, infelizmente, também é condicionada, nos levando a perceber a nós mesmos e ao mundo de uma forma limitada se não buscarmos constantemente ampliar nossos conhecimentos e visões de mundo.  Aqui estão alguns livros que recomendo porque não só deram uma contribuição para alimentar a minha sede de conhecer e usar o conhecimento, mas também para desenvolver o meu trabalho como coach e terapeuta floral.  Para mim os bons livros emitem vibrações, que vão direto ao coração e ao espírito.  Seus autores são iluminados para poderem expressar seus conhecimentos , ideias e experiências de uma forma que possa ser expressada através de palavras.  Compartilho com vocês algumas obras selecionadas.  Hoje em dia, o nosso conhecimento cresce quanto mais a gente se dispõe a dividir. O acesso ao conhecimento e ao aprendizado não param em nossas vidas.  Ficarei feliz se deixar um comentário neste post com uma indicação de um livro para mim.  Este é um presente meu para cada pessoa que acessa o meu blog! Leiam, mergulhem neste universo literário e usufruam da delícia de alimentar o espírito com um bom livro !

  • A Alquimia do Ser  – Waldyr Rocha – Hércules Editora
  • A Janela Visionária – Dr. Amit Goswani – Editora Cultrix
  • A Quinta Disciplina – Peter Senge
  • A Roda da Vida – O ensinamento budista tibetano sobre uma psicologia espiritualizada – Heloisa Gioia
  • As Essências das Ervas e das Flores no Brasil – Joel Aleixo – Editora Aquariana
  • Como Conquistar sua Própria Felicidade – Albert Ellis
  • Consciência – Osho – Editora Cultrix
  • Física Quântica e Espiritualidade – Prof. Laércio B. Fonseca – edição própria
  • Inteligência Emocional – Daniel Goleman
  • Jejum Curativo – Mário Sanches –  Editora Madras
  • Líder Coach – Líderes Criando Líderes – Rhandy Di Stéfano
  • Manual do Sucesso Total – Rhandy Di Stéfano
  • Medicina Intuitiva – Ruth Berger – Editora Gente
  • Medicina Quântica – Victor Mattos – Ed. Corpomente
  •  Medicina Vibracional – Richard Gerber – Editora Cultrix
  • Molecules of Emotion – Candace Pert
  • O Cérebro Desconhecido – Helion Póvoa – Editora Objetiva
  • O Poder dos Florais no Trabalho – Gustavo G.Boog e Magdalena Turák Boog – Editora Makron Books
  • psicologia_alquimicaOs 7 hábitos de Pessoas Altamente Eficazes – Stephen Covey
  • Psicologia Alquímica – Receitas antigas para viver num mundo novo – Dr.Thom F.Cavalli – Editora Cultrix
  • Quem Somos Nós – William Arntz, Betsy Chasse e Mark Vicente – Editora Prestígio
  • Sua Vida em Primeiro Lugar – Cheryl Richardson
  • Tomar a Vida nas próprias mãos – Gudrun Burkhard

Bioinformação – O Elo Perdido da Medicina, de Sergio Areias, é maravilhoso para quem busca compreender o que é a nova ciência e a medicina do futuro, que estão apenas surgindo no Brasil. bioinformao-o-elo-perdido-da-medicina-1-0-s-386x470 Sérgio não só aborda vários temas ainda desconhecidos para a maioria das pessoas, como também compartilha suas experiências como terapeuta e professor, desconstruindo  paradigmas deixados pela medicina tradicional mas, nem por isso, desconsiderando-as do todo.  Com a leitura deste livro, penso que podemos iluminar nossos caminhos pessoais e coletivos, visando uma sociedade mais ativa, que busca co-criar um mundo mais saudável, no qual todas as disciplinas estarão integradas, trazendo maiores e melhores resultados para nós mesmos para a sociedade como um todo.  Sérgio também compartilha sua experiência clínica, o que encoraja e auxilia muitos terapeutas e médicos, que buscam trabalhar com terapias integrativas e complementares,  visando a cura de seus pacientes e clientes. Editora CPR, 2013.