Arquivo da tag: sentido da vida

VIVER: MAIS DO QUE DESEMPENHAR PAPÉIS

Quantas vezes entramos em crises de ansiedade ou adoecemos porque, no fundo, não encontramos sentido para a vida que estamos levando ?

Os papéis que desempenhamos na vida, apesar de necessários para a nossa identidade (estar e sobreviver no mundo), estão muito ligados ao processo da ansiedade e das doenças porque, por meio de muitas armadilhas preparadas pelas nossas mentes inquietas e desatentas, esses papéis acabam ocupando um espaço muito maior do que deveriam, dificultando o nosso processo de SER e SERVIR ao nosso espírito e ao mundo, no qual estamos de passagem nesta experiência humana.mulher e tecnologia

Assim, penso que viver é permitir que estímulos agucem a nossa vontade de constatar, reconhecer e praticar os nossos verdadeiros talentos em todas as áreas da nossa vida,  pois nossos verdadeiros talentos são parte daquilo que é permanente dentro de nós, daquilo que SOMOS, da nossa consciência.   Aliás, eles são uma grande arma para lidarmos com o nosso “lado sombra”, ou seja, com nossos defeitos, resistências e dificuldades diante da vida.

Parece que algumas pessoas já nascem mais buscadoras do que outras, no entanto, creio que todos têm um potencial de SER,  têm a possibilidade de se ampliar no decorrer da vida, na medida em que a pessoa reconhece seus condicionamentos culturais, familiares e sociais e tenha interesse em incluir o novo (muitas vezes, desconfortável) em sua vida, para assim descobrir e usar seus talentos, que permitem muito mais evolução do que através do mero desempenho de papéis que, na maioria das vezes, são norteados por expectativas familiares e sócio-políticoespiritualidade2-econômicas-culturais.

Não dá para fugir de priorizar a espiritualidade !  É por meio dela que nos encontramos e, cedo ou tarde, a vontade de buscar a verdade fala mais alto e então podemos encontrar Deus dentro de nós.  Essa energia que, por meio dos nossos talentos, nos leva à ação para realizar aquilo que faz e dá sentido à nossa vida, traz resultados positivos tanto para nós mesmos quanto para os outros ligados a nós.

Jamais desista de viver a sua vida plenamente, indo além dos seus papéis !

Encare todas as constatações (agradáveis e desagradáveis) dentro e fora de você.  E então a vida, por mais difícil que seja, flui e lhe dignifica, abrindo seu campo de possibilidades, inclusive de comunhão com si mesmo e com os outros.

Terapia e radiônica: como funciona.

A radiônica é uma arte que tem suas raízes na medicina do século XX e é única porque utiliza consciente e intencionalmente as capacidades espirituais mais elevadas, cuja existência a ciência ainda nega completamente. O tratamento que conta com radiônica é baseado na interação entre a mente do terapeuta e da pessoa que ele auxilia, por meio da utilização de aparelhos que captam as bioinformações que estão em desequilíbrio em seu corpo, a fim de ajudar a restabelecer seu funcionamento natural.aura

A função específica do radionicista é identificar padrões desarmônicos e restabelecer o equilíbrio, por transferência de informações, ajustadas às necessidades do seu cliente.  Esse processo parte do princípio de que os sistemas biológicos podem se comunicar entre si de formas muito especiais.  Essa comunicação acontece quase que exclusivamente fora do alcance dos cinco sentidos.  Alguns exemplos são a comunicação entre seres humanos e plantas, o resultado com simpatias para eliminação de verrugas,  a telepatia entre humanos e a interação entre humanos e  animais domésticos.  Essa comunicação é possível somente quando consideramos outros sentidos, além dos 5, como seu ponto de partida.  A radiônica trabalha com transferência de informação.

No livro “Dimensões da Radiônica”, de David Tansley, a radiônica é definida como um sistema de diagnóstico e tratamento à distância, que utiliza a capacidade humana de percepção extrassensorial, exatamente este sexto sentido, que conta com o apoio de determinados instrumentos especialmente construídos para esse fim, que ajudam a determinar as raízes básicas de uma enfermidade em um organismo vivo. Ou como explica essa frase:  “a radiônica é a ciência que estuda os campos de interação entre as pessoas e seus ambientes e os processos energéticos envolvidos, reconhecendo que a matéria, a energia e a mente estão perfeitamente interligadas“, 

A radiônica parte da premissa de que cada órgão do corpo apresenta uma informação vibracional específica, que é alterada quando o organismo desenvolve uma enfermidade. Desta forma, através de equipamentos geradores, potencializadores e transmissores de vibrações, o terapeuta consegue identificar os desequilíbrios e enviar frequências (bioinformações) para contribuir na restauração da saúde.

No meu trabalho de terapeuta, opero um equipamento radiônico de última geração, o Quantec, um equipamento de biocomunicação instrumental que possui um diodo de ruído branco que, com a ajuda de um computador, permite o acesso a sistemas biológicos, tanto para receber quanto para transferir informações, beneficiando a pessoa que está sendo tratada.  O Quantec integra os conceitos da arte da radiônica à moderna tecnologia (o computador), permitindo ampliar as possibilidades de saúde e bem estar das pessoas.

Um pouco de história sobre a radiônica

Albert Abrams

Dr. Abrams

Os  princípios da Radiônica foram desenvolvidos pelo médico norte-americano Albert Abrams, formado em medicina na Universidade Heildelberg, na Alemanha. Nascido em São Francisco na Califórnia em 1863, Dr. Abrams sempre demonstrou um talento precoce nos estudos médicos, graduando-se com uma idade bastante jovem. Fez cursos de pós-graduação em Londres, Berlim, Paris e Viena e, em seguida, tornou-se um talentoso especialista no campo da neurologia. Também foi diretor da Clínica Médica da Universidade de Leland Stanford, professor de patologia e diretor do Cooper Medical College, sendo presidente da Sociedade Médica de São Francisco. Começou a publicar em 1916 uma revista quadrimestral, publicou vários livros sobre a aplicação prática da sua teoria eletrônica no tratamento das enfermidades, entre eles: “New concepts in diagnosis and treatment”, “Physico Clinical Medicine”, “Spondylotherapy, phisio and pharmacotherapy and diagnostic methods based on a study of clinical physiology”, entre outros. Abrams organizou a “American Electronic Research Association”.

Os novos procedimentos do Dr. Abrams fizeram com que o médico obtivesse resultados espetaculares no tratamento de muitos pacientes, o que despertou o interesse de médicos ao redor do planeta. A nova técnica, criada pelo especialista, também foi extremamente criticada pela sociedade médica conservadora. Médicos de todas as partes dos Estados Unidos – e de outros países na Europa – alegavam que o médico era um charlatão e que desejava apenas ganhar dinheiro com seus tratamentos infundados. A própria revista “Scientific American”, uma das mais famosas do segmento na época, denegriu a radiônica do Dr. Abrams durante consecutivas edições.

Dr. Abrams, porém, também ganhou um grande número de seguidores, que o procuraram para aprender sobre a nova ciência. No auge de sua popularidade, em 1923, centenas de profissionais já estavam usando as máquinas criadas por ele. Profissionais norte-americanos e, principalmente, ingleses encontravam-se com o médico para aprender sua técnica.

Após a morte do Dr. Abrams, em 1924, o principal nome que surgiu na radiônica foi a da quiropata inglesa, Ruth Drown, uma das discípulas do médico. Com os conhecimentos adquiridos, Ruth desenvolveu novas teorias e procedimentos que também foram extremamente criticados pela classe médica, apesar de ter tratado, com muito sucesso, cerca de 35 mil pacientes.

quantec_02

Quantec

Primeiramente, assim como Abrams, ela indagou a possibilidade de tratamento de pacientes à distância. Esse procedimento poderia ser realizado através da coleta de sangue ou de mechas de cabelo de um enfermo e, ao emanar as vibrações corretas, segundo os conceitos da radiônica, o paciente haveria de ser curado. Além disso, a quiropata desenvolveu um aparelho chamado radiovision,  capaz de fotografar órgãos à distância a partir da coleta de uma gota do sangue do paciente. Essa máquina rendeu a Ruth uma grandiosa fama nesse novo campo médico, tendo obtido sucesso em muitos trabalhos de cura, inclusive casos de câncer.

Os resultados e experiências de utilização da radiônica variam de um sucesso extraordinário e mesmo fenomenal até medíocre, dependendo inteiramente do equipamento utilizado, as técnicas aplicadas e da habilidade e entendimento do operador.

Num artigo publicado em “The Radionic Quartely”, MalconRae, radionicista inglês, fala de uma série de idéias interessantes a respeito dos instrumentos radiônicos e finaliza resumindo dessa forma: “Um instrumento radiônico é uma das peças de um dispositivo destinado a auxiliar o praticante com sensitividade radiestésica a desempenhar o seu trabalho do modo mais eficaz possível e com o menor esforço possível”.

A revolução da nova ciência

Você ainda tem dúvida de que estamos todos conectados?  Essa afirmação ainda lhe passa uma ideia mística ou dogmática?   Na verdade, estamos sim todos conectados! E quem afirma são vários cientistas que, nos últimos 30 anos, andaram questionando paradigmas científicos  e foram construindo experimentos para provar que somos um campo de energia que interfere em outros campos.

PEAR é a sigla para um projeto que existiu na Universidade de Princeton, EUA, por volta de 1970, com o objetivo de estudar desvios causados pela intenção humana em máquinas que geravam eventos aleatórios. Se você também gosta de compreender a fundo a ciência e suas novas perspectivas, eu sugiro a leitura do livro “O Campo – Em busca da força secreta do Universo”, escrito por  Lynne Mc Taggart.

ocampolynne

Embora eu tenha lido apenas trechos desse livro, fiquei entusiasmada em compartilhar no meu blog, porque ele dá pinceladas científicas que permitem um melhor entendimento sobre a validade das terapias energéticas, atualmente denominadas terapias complementares e integrativas.

Lynne é uma respeitada jornalista inglesa, que  tornou-se porta-voz das práticas de medicina alternativa. Depois da leitura, garanto que você vai passar a ver a realidade de uma nova maneira, pois este livro apresenta vários estudos  realizados por cientistas de universidades espalhadas pelo mundo, como Fritz Popp,  Jacques Benveniste, entre muitos outros, que fundamentaram as aplicações dos princípios quânticos no ambiente celular. Só para estimular a sua curiosidade, selecionei alguns trechos do livro para compartilhar aqui no meu blog.  Convido você a pensar nas novas descobertas da física quântica, que vem mudando os paradigmas da ciência. “O campo” conta a história dessa revolução que está se formando e que não tem mais volta.

O inconformismo é a semente da mudança

Tudo começou há mais ou menos 30 anos, com um pequeno grupo de cientistas espalhado pelo planeta, que não estava nada satisfeito em continuar lidando automaticamente com a física quântica, ou seja, dentro dos paradigmas convencionais da ciência, que nem os fenômenos anômalos considerava.  Bem, agora estamos entrando no mundo sub-atômico.

Esses cientistas exigiam uma resposta mais adequada para muitas das grandes perguntas que haviam sido deixadas sem resposta. Eles prosseguiram com suas investigações e experiências a partir do ponto em que os pioneiros da física quântica haviam parado e começaram a fazer um exame mais profundo. Vários deles repensaram algumas equações que sempre haviam sido descartadas na física quântica. Essas equações correspondiam ao “campo de ponto zero”, um oceano de vibrações microscópicas no espaço entre as coisas.  Eles perceberam que se o campo de ponto zero fosse incluído em nossa concepção da natureza mais fundamental da matéria, o suporte do Universo seria um agitado mar de energia, um vasto campo quântico. Se isso fosse verdade, tudo estaria interligado por algo como uma teia invisível.

espiritualidade2

Você ainda tem dúvida de que somos onda?

Pois esses cientistas também descobriram que somos formados pelo mesmo material básico. No nível mais fundamental, os seres vivos, inclusive os seres humanos, são pacotes de energia quântica que trocam constantemente informações com esse inexaurível mar de energia. Os seres vivos emitem uma radiação fraca, e esse é o aspecto mais crucial dos processos biológicos. As informações a respeito de todos os aspectos da vida, desde a comunicação celular até o vasto conjunto de controles do DNA, eram retransmitidas por meio de uma troca de informações no nível quântico. Até mesmo nossa mente, esse outro supostamente tão extrínseco às leis da matéria, opera de acordo com processos quânticos. O pensamento, o sentimento – todas as funções cognitivas superiores – estão relacionadas com as informações quânticas que pulsam simultaneamente pelo nosso cérebro e nosso corpo. A percepção humana ocorreu devido às interações entre as partículas subatômicas de nossos cérebros e o mar de energia quântica. Ressoamos, literalmente,  com o nosso mundo.

Leis básicas da biologia e da física já foram desafiadas

As descobertas desses cientistas foram extraordinárias e heréticas, pois de uma só vez, desafiaram várias das leis mais básicas da biologia e da física. Talvez tenham descoberto nada menos do que a chave para todo o processamento e troca de informações em nosso mundo, da comunicação entre as células à maneira de ver o mundo como um todo. Eles sugeriram respostas para algumas das questões mais profundas da biologia, da morfologia humana e da consciência viva. Aqui, no suposto espaço “morto”, possivelmente residia a chave da própria vida.

Finalmente uma explicação sobre o que é o Espírito Santo !

Esses cientistas pioneiros e corajosos forneceram evidências de que todos estamos ligados uns aos outros na base do nosso ser. Demonstraram por meio de experiências científicas que talvez haja uma força vital circulando pelo Universo, algo que tem sido alternadamente chamado de consciência coletiva ou, como os teólogos o denominaram, de Espírito Santo.

Graças a esses cientistas, foi apresentada uma explicação plausível para todas as áreas em que a humanidade tem tido fé ao longo dos séculos sem, no entanto, conseguir obter nenhuma evidência confiável, ou uma justificativa adequada para a eficácia da medicina energética, para a força da oração e até para a vida após a morte. De certo modo, eles nos ofereceram uma ciência da religião. Ao contrário da visão de mundo de Newton ou Darwin, a perspectiva desses cientistas estimulou e continua estimulando a vida.

Não somos simples acidentes da natureza.  Nossas mentes têm um poder que ainda desconhecemos. 

As ideias desses cientistas puderam nos fortalecer com suas implicações de ordem e controle.  Há um propósito e uma unidade em nosso mundo e no lugar que ocupamos nele, e temos uma influência considerável em tudo isso. O que fazemos e pensamos é importante. Na verdade, é fundamental para a criação do nosso mundo. Os seres humanos não estão mais separados uns dos outros, mesmo que desejem.  Não há mais nós e eles, eu e você.  Já não estamos mais na periferia do Universo, do lado de fora olhando para dentro. Podemos ocupar o nosso lugar legítimo, regressar ao centro do mundo, assumir a força da nossa mente.  E a responsabilidade por ela também.

17-abril-2014-002

O preço que se paga por buscar a verdade

As ideias desses cientistas foram a substância da traição. Em muitos casos, eles tiveram que travar uma batalha defensiva contra um grupo dominante, obstinado e hostil. Essas investigações vêm acontecendo há trinta anos, em grande medida não reconhecidas ou refreadas, mas não por causa da qualidade do trabalho. Os cientistas, todos oriundos de instituições confiáveis como as universidades de Princeton e Stanford, as melhores instituições da França e da Alemanha, realizaram experiências impecáveis. Não obstante, tais experimentos atacaram vários princípios considerados sagrados e situados no âmago da ciência moderna. Eles não se encaixavam na visão científica predominante no mundo, no mundo encarado como uma máquina. Reconhecer essas novas ideias exigiria que nos livrássemos de grande parte do que a ciência moderna acredita e, em certo sentido, que começássemos do zero. A velha guarda nem quis ouvir falar dessas teorias, que não se encaixavam na visão de mundo delas e, portanto, estavam necessariamente erradas. Contudo, e felizmente, já é tarde demais. A revolução é irreversível.

Os cientistas que foram destacados em “O campo” são apenas alguns dos pioneiros, uma pequena representação de um movimento mais amplo. Graças a Deus, muitos outros estão vindo em seus rastros, desafiando, experimentando e modificando seus pontos de vista, envolvidos com o trabalho com o qual todos os verdadeiros exploradores se envolvem. Em vez de descartar essas informações como inadequadas segundo a visão científica do mundo, a ciência ortodoxa terá que começar a adaptar sua concepção de mundo para que ela se torne adequada. É chegada a hora de relegar Newton e Descartes aos seus devidos lugares, isto é, o de profetas de uma visão histórica hoje superada. A ciência só pode ser um processo que visa entender o nosso mundo e a nós mesmos, em vez de um conjunto fixo de regras eternas. E, com a introdução do novo, o velho quase sempre precisa ser descartado. “O campo” é a história dessa revolução que está se formando.

 

2015 – um convite à renovação de nossas vidas

2015E chegou 2015!!! Vivemos a pausa dos feriados e nos deparamos com um recomeço do nosso trabalho de sobreviver e cuidar de nós mesmos e da Terra. Os votos de prosperidade são os mais frequentes. No entanto, para cada um, prosperidade significa algo. Mas, um ponto comum para todos é o dinheiro.

Afinal, para nos cuidarmos, precisamos de dinheiro: comprar ou alugar uma casa, comprar alimentos, nos locomover, nos vestir, consultar um médico, estudar, etc. Entretanto, de quanto efetivamente precisamos? Por que desejamos um automóvel ou casa de determinado valor quando outro item similar com valor igual a um terço do que escolhemos nos atenderia? E então, entramos na questão “prioridade”. O que é prioridade para cada um de nós? O que é prioritário para o coletivo ?

Esse tema parece fácil de lidar, no entanto, a nossa cultura pós-moderna nos traz de imediato a resposta de que o que é prioritário é aquilo que nos traz mais prazer e segurança… e comprar acaba sendo o verbo mais aplicado. Nos distraímos das dores e dificuldades e conseguimos mais momentos de prazer e suposta realização e estabilidade. E então, a necessidade de aumentar nosso poder aquisitivo acaba imperando. Nos esquecemos do essencial: o que se passa, de fato, dentro de nós mesmos.

Em nome de aumentar ou pelo menos manter nosso poder aquisitivo, acabamos aceitando ocupações nem sempre coerentes com os nossos valores, objetivos e talentos, pois elas nos oferecem perspectiva de ter mais dinheiro… Nos iludimos de que nas férias ou nas “horas vagas” poderemos fazer aquilo que realmente queremos.

realizacao-pessoal

Dúvidas em relação às nossas escolhas

Só que quando isso acontece, acabamos por limitar a nossa realização pessoal. E se nossa realização pessoal não acontece, é inevitável a frustração. Lembre-se: frustração gera doença! Em outras palavras, quando não estamos fazendo necessariamente o que gostaríamos, perdemos o contato com nós mesmos e, consequentemente, com o coletivo, pois é através dos nossos talentos que contribuímos para a nossa verdadeira prosperidade e para a prosperidade de outras pessoas. Mas precisamos continuar assim? Certamente que não!

Vamos aproveitar este novo ano para revermos o nosso trabalho, as nossas crenças e os nossos valores (sim, valores precisam ser revistos!), pois só assim podemos constatar como estamos com nós mesmos e com os outros à nossa volta. Vamos pensar com as nossas próprias inteligências e reconhecer se estamos precisando de ajuda para pensar melhor. Vamos rever nossas prioridades de vida na Terra e assim nos dedicar profissionalmente a assuntos que nos interessam mais. E assim, vamos acabar com aquela ideia de que trabalho é obrigação e sentir que trabalho pode ser mais realização.

mulher-confi

Avaliar o que em nosso trabalho nos faz feliz

Mas atenção: não se iluda! Escolhas verdadeiras podem significar, muitas vezes, grandes renúncias. Para isso, precisamos nos conhecer cada vez mais, e o suficiente para não recuar!

Que em 2015 possamos avaliar nossas vidas e que, se tivermos a sorte de alcançar uma velhice saudável e proativa, possamos olhar para trás e constatar que não nos fizemos reféns de aspectos puramente sociais, institucionais, culturais, econômicos ou temporários e sim, que vivemos com plenitude o tempo que recebemos de nossas vidas.

Ser humano na busca do sentido da vida

Nos meus trabalhos com coaching e terapia floral eu quero contribuir nos processos que os seres humanos instituem para mudarem suas vidas em busca de mais realização, prazer e felicidade.  Afinal, o ser humano quer sempre encontrar e viver no mais profundo de todos os planos: o da sua essência.

7 março 14 020Se você busca a sua essência, certamente vive tomando iniciativas para não só existir (assumindo seus inúmeros papéis), mas também para perceber seu mundo interno, além do mundo externo, usando cada vez mais a sua inteligência e consciência.  Com isso, você vai cultivando e conquistando seu autoconhecimento.

Ao se conhecer cada  vez mais profundamente, você passa a criar condições de acessar seu coração, os seus sentimentos – que tem a ver com afeto, com esta nossa essência. Afeto consigo mesmo e com outros seres humanos ao seu redor.  Desta forma, é um esforço contínuo para que os projetos,  os trabalhos e as diversas atividades de sua vida passem a ter cada vez mais sentido.

Por isso, estou aqui pronta para interagir e compartilhar com outros seres humanos. Contribuir para a transformação de pessoas através de atendimentos e manipulação de florais alquímicos, ativando o autoconhecimento e fortalecimento dos indivíduos, despertando potencialidades, possibilitando maior equilíbrio entre mente, corpo e espírito e ações mais alinhadas aos valores e propósitos pessoais.