Arquivo da tag: caminho da cura

Terapia:  até quando?

Felizmente, contamos, atualmente, com inúmeros tipos de terapias, entre elas as terapias integrativas complementares, que servem para contribuir, de forma sistêmica, com o processo de acessar caminhos de cura ou prevenção de doenças.  Antes de entrar no tema, é preciso lembrar que a palavra terapia vem do grego, “therapeia”, que significa “o ato de curar”, de “restabelecer”.

Pela minha experiência, as pessoas em geral procuram terapias quando estão passando por uma fase muito difícil da vida, seja no aspecto da saúde física como também em outros aspectos ligados aos corpos emocional, mental e espiritual.  Há quem procure terapias para mergulhar mais fundo em seu processo de autoconhecimento.  Existem pessoas, inclusive, com fantasias sobre terapias e terapeutas, a ponto de acreditarem que exista o profissional “ideal”, que “sabe tudo” e que vai resolver todas as suas dores e angústias.

Independente das motivações que levam alguém a procurar por terapias, cabe refletir sobre a questão da duração dessas terapias, pois é frequente a preocupação da pessoa em saber em quanto tempo ela terá os resultados que espera ter (que não necessariamente representam o que ela precisa, prioritariamente, obter de benefícios com a terapia).

A reflexão básica que lhe convido a fazer é:  por que terapias deveriam ter um tempo determinado para acontecer se a própria vida é dinâmica, impermanente e imprevisível? Como determinar um prazo para uma terapia, considerando que cada pessoa é um ser único, um campo único, que se modifica o tempo todo em função de vários fatores, entre eles, genética, epigenética, terreno biológico? Cada pessoa tem a sua própria e única situação em relação, por exemplo, aos receptores celulares, à sua forma de metabolização e de desintoxicação. Cada ser é um universo único!  Estes fatores já são suficientes para flexibilizar qualquer posição rígida quanto à duração e resultados de  qualquer terapia.

Em minha visão (inter e multidisciplinar), os resultados são obtidos por meio de várias atitudes, ações e intervenções que, atuando, em conjunto, no campo da pessoa, trazem resultados benéficos à sua saúde como um todo.  Não é tão simples isolar a “causa” de uma cura ou melhora, nem querer determinar qual é a “melhor” terapia ou terapeuta, embora essa tendência ainda seja frequente. O melhor será sempre o avanço da pessoa em sua jornada de autocura!

Por exemplo:  sentir-se acolhido, compreendido faz parte de um processo terapêutico. O vínculo entre terapeuta e cliente sempre existe em algum nível, o que não significa que tenha que perdurar pelo tempo que a terapia deva durar.  Em outras palavras, o cliente pode sentir a necessidade de mudar de terapeuta, o que não significa que deva parar com a terapia.

Outro exemplo:  a ética, a experiência, as técnicas adotadas pelo terapeuta são essenciais para o êxito da terapia, no entanto, o cliente também precisa estar aberto a fazer a sua parte, buscando compreender e colaborar com o processo terapêutico.  O terapeuta também precisa ter conhecimentos, experiência e sensibilidade para perceber quando é necessário orientar e, até mesmo, encaminhar o seu cliente para outro profissional, em função de um enriquecimento necessário ao processo terapêutico.

O tempo de terapia não vai determinar a melhora de um quadro ou a evolução de uma pessoa.  Tudo depende do ser humano e de como o seu campo se comporta com a terapia, se há ressonância entre a pessoa e a terapia/terapeuta.  Mesmo porque, as coisas não acontecem de forma igual para todos.  Os efeitos de uma terapia dependem do ponto em que a pessoa está e para onde ela quer, de verdade, chegar.

O poder da terapia não está só no terapeuta, mas acima de tudo, na vontade genuína do cliente de se curar ou criar novas realidades para a sua vida, revogando a sua própria avaliação sobre a sua dor, angústia ou doença.  Curar requer amar a verdade, que muitas vezes confronta o cliente, levando-o a desistir da terapia ou do terapeuta.

No meu entendimento as terapias representam o aprendizado contínuo de cuidar de nós mesmos, contando com a ajuda dos profissionais da saúde que adotam uma visão holística, sistêmica do ser humano.  A necessidade de terapia é constante na medida em que sempre há algo a ser reequilibrado em nossa vida.

Terapia ativa o corpo de luz, recobra, limpa, ressignifica memórias que estão no próprio DNA da pessoa, acima das questões perceptíveis através dos seus cinco sentidos, envolve o que é Divino no indivíduo, ou seja, a sua espiritualidade, a sua família espiritual.  Por exemplo:  se uma pessoa está apegada à sua doença e não tem interesse em compreender as origens dessa doença, não dá para esperar que ela entre em processos de cura enquanto ela não enxergar sentido em ativar a sua real vontade de cura.

Sim, terapias, para mim, tem a ver com buscar a verdade sobre nós mesmos.  Verdade essa que ilumina, mesmo quando nos confronta.  Assim, ouso afirmar que terapias são para toda a vida!

Por que e para que tomar florais?

Na minha experiência de mais de 10 anos como terapeuta floral, tenho observado as diferentes reações e percepções das pessoas quanto à forma de encarar os sistemas florais e a sua utilização.

Muitos encaram a toma de florais limitada a uma maneira de lidar com o estresse, outros como uma terapia emergencial, cujo resultado depende de acreditar, outros como um sistema parecido com a homeopatia, até mesmo como um “paliativo” e por aí vai. Percebo também que é frequente a falta de clareza sobre o propósito dos florais, o que eles representam em nossa vida e de que forma eles atuam nos desequilíbrios, transtornos, síndromes e na prevenção de doenças. Então, decidi escrever este post com algumas considerações que podem contribuir para as pessoas que ainda têm dúvidas ou desejam escolher com mais consciência um sistema floral, visando cuidarem-se melhor e integralmente.

Primeiro, precisamos lembrar que os sistemas florais são desenvolvidos a partir da natureza (plantas, minerais, árvores, flores, fungos, líquens, cristais vegetais e minerais e de ambientes naturais) e de princípios científicos (física quântica) e que todo e qualquer tipo de doença tem ligação com os conflitos da alma ou espírito da pessoa (essência do ser) e com a sua personalidade (o ser a partir de suas vivências).

A questão genética, por outro lado, é determinante quando se trata de doenças ligadas ao DNA fixo (que representa de 3 a 6% do nosso DNA).  O restante do nosso DNA é volátil, energético, e portanto, mutável, sujeito a mudanças.

Outra questão a ser considerada para compreender o sentido de tomar florais é que viver, experimentar a vida muitas vezes envolve contradizer a nossa essência, o que gera traumas, enfrentar convenções sociais e culturais, e, inevitavelmente, os conflitos.  Assim, as doenças se estabelecem das mais diferentes formas, não estando presentes somente no nosso corpo físico, mas também nos nossos corpos mais sutis.  Quando existe uma sintonia entre a nossa alma (espírito) e a nossa personalidade, nossa vida se torna mais equilibrada, mais saudável em todos os sentidos.  Caso contrário, as doenças se estabelecem e evoluem, acumulando vários tipos de desequilíbrios que nos tiram a alegria de viver, desequilíbrios esses que podem se tornar irreversíveis.

Segundo o Dr.Bach, que nos anos 30 criou e desenvolveu o primeiro sistema floral do mundo, todas as doenças provêm de sete sentimentos/comportamentos do ser humano:  o orgulho, a crueldade, o ódio, o egoísmo, a ignorância, a instabilidade mental e a cobiça (gula no sentido amplo da palavra).  O equilíbrio seria decorrência da inversão destes estados, nos conduzindo à humildade, a bondade, amor, a doação, a sabedoria, estabilidade mental e emocional, ao desapego .

Quando tomamos florais (ou essências vibracionais) estamos acessando a energia, a bio-informação que vai influenciar na frequência do nosso campo (ou sistema) que é a soma dos nossos corpos (físico e sutis), nossa mente consciente e inconsciente, nossas emoções (ondas de energia com frequências específicas), interpretadas pelo nosso cérebro.  Os florais nos ajudam a entrar em estados de reequilíbrio, saindo da polaridade negativa (nociva) para a positiva (saudável).

Ao tomar florais, há uma diferença entre trabalharmos aquilo que a pessoa é (personalidade e temperamento) e aquilo que a pessoa se tornou ou os estados que se desenvolveram por meoi das suas experiências de vida, embora, frequentemente, as pessoas afirmem para si mesmas e para os outros que são algo que na verdade se tornaram por meio dos seus sofrimentos crônicos.   Por exemplo, o indivíduo por acreditar que a ansiedade faz parte do seu temperamento, quando, de fato, a ansiedade é um transtorno que se instalou como decorrência dos desequilíbrios.

No processo do tratamento floral, portanto, considera-se as tendências naturais da pessoa, que estão em sua personalidade e temperamento (a base constitucional  hereditária, dimensão biológica e instintiva da personalidade),  e também os desdobramentos decorrentes das suas experiências de vida ou os estados que se desenvolvem a partir de suas experiências de vida e que se manifestam por meio de contextos, hábitos, crenças, atitudes, sentimentos, convicções, comportamentos etc.

Os florais funcionam como instrumentos de limpeza, purificação e ativação de estados nascentes (aspectos latentes do nosso ser) para que possamos ser mais nós mesmos e, assim, experimentarmos a vida com mais lucidez, consciência e discernimento.  Ao tomar florais, ativamos um processo de despadronização de sentimentos e hábitos (comportamentos) nocivos, que atrapalham aproveitarmos a nossa vida com mais plenitude e sentido.

Estes padrões nocivos são, muitas vezes, desequilíbrios que se desenvolveram em resposta ao nosso meio ambiente e não desequilíbrios inerentes à nossa personalidade/temperamento.  Assim, num tratamento floral, trabalhamos desde as questões presentes (que mais nos incomodam) como também as questões mais profundas, que envolvem fundos emocionais e seus aspectos subconscientes e inconscientes.

Outra consideração a ser feita é a importância de um terapeuta floral que oriente a pessoa, tanto na escolha dos florais quanto no acompanhamento do seu processo, pois para tomar florais sozinho, é necessário que a pessoa esteja num estágio mais avançado de autoconhecimento e de consciência sobre si próprio e seus limites, o que ainda é raro nos dias de hoje.

Além disso, não é tão simples exercitarmos a honestidade com nós mesmos, devido à nossa auto-imagem idealizada e a questões do ego.  Outro ponto importante: é necessário levar em conta o quanto a pessoa tem ressonância com o sistema floral que pretende adotar, pois não há floral melhor ou pior e, sim, o melhor sistema floral para a pessoa naquela fase de sua vida.

Outro motivo para tomar florais com a orientação de um terapeuta é o trabalho do terapeuta que inclui não expor um fundo emocional para o qual a pessoa não tenha estrutura para enfrentar.  O que não significa que alguém só deva sentir sensações agradáveis quando toma florais.  Muitas vezes, o processo de tomar florais nos revela questões e situações que podem nos incomodar bastante, o que não significa que não tenhamos condições de enfrentá-las.  Além disso, para lidarmos com as nossas “crises de cura”, sempre podemos contar com florais de apoio ou emergenciais, que nos ajudarão em nossa sustentação e ancoramento das energias necessárias para o enfrentamento que precisamos vivenciar.

Ao refletirmos sobre o sentido de tomar florais, temos que entrar também na questão da autoconsciêntica, autorresponsabilidade e jornada pessoal de autocura.  Entre os propósitos do florais, está o de ajudar as pessoas a compreenderem e sentirem-se responsáveis pelos cuidados com sua saúde, com o seu bem-estar e por encontrar seu lugar neste mundo.

Entender o papel que temos ou tivemos em nossas doenças e desequilíbrios é outro propósito básico dos florais, que contribuem para eliminar padrões de retroalimentação das doenças, conduzindo-nos a processos de recuperação da harmonia, de autocura (mais saúde, mais autoconhecimento, mudanças de mentalidade e comportamento).

A participação consciente da pessoa em sua toma de florais é fundamental, ou seja, ela precisa compreender porque e para que está tomando aquele floral.  Somente bebês, crianças pequenas ou pessoas que estão inconscientes devem tomar florais de forma passiva.  Assim, na minha forma de trabalhar com os florais, levo em conta não somente o estado da pessoa, mas também aspectos do seu campo energético e bio-informacional, que exigem uma maior conscientização e reflexão ativa.

Mais uma consideração é lembrarmos que muitas pessoas ficam apegadas às suas doenças, porque, por meio delas, obtêm “vantagens” ou privilégios que não querem perder tais como:  atenção de outras pessoas, comodismo, acomodação, justificativa para não se trabalhar ou trabalhar, entre muitas outras.  Esses benefícios podem ser reconhecidos pela pessoa num nível consciente e/ou inconsciente.  E lembre-se sempre:  florais não ajudam a curar aqueles que não querem curar-se.

Mudanças em nossas vidas, que muitas vezes parecem impossíveis, acontecem sim!  Desde que nos encorajemos ou sejamos encorajados por verdadeiros amigos, familiares ou profissionais de saúde a compreender a nossa própria personalidade, temperamento e as situações que nos levam aos mais diversos estados e situações de vida.

Os sistemas florais são como uma benção em nossas vidas, são recursos valiosíssimos de que dispomos para sair de estados de estagnação e alavancá-los para atividades dentro de um  campo de novas possibilidades para as nossas vidas, dentro da verdadeira abundância!

Aproveito para convidar você para a leitura de outros posts nos quais abordo sistemas florais:

Sistema Floral Joel Aleixo: a alquimia transforma !

Florais de Bach

Sistema Fisioquantic:  a modulação e indução frequencial viabilizando a harmonização energética do organismo

O encanto e a beleza das essências vibracionais Ararêtama

 

 

Terapeuta e Cliente:  um vínculo que precisa ser compreendido  

Depois de 10 anos atuando como terapeuta, decidi escrever este post para expressar a minha visão sobre como vejo o vínculo que se cria entre terapeuta e cliente.  Percebo que, atualmente, existem muitas terapias e técnicas, no entanto, nem sempre temos pessoas que se prepararam e se aprimoraram para trabalhar essas técnicas.  Também existem muitas pessoas interessadas em terapias, no entanto, é comum aparecerem muitas dúvidas na hora de escolher os terapeutas e as terapias. 

10 anos de caminhada como terapueta

O que é ser terapeuta?  A resposta para essa pergunta vai variar muito.  No entanto, acredito que existe um fato na vida de todo o profissional de saúde:  de alguma forma ele foi convocado a fazer um trabalho interior primeiro com ele mesmo para, então, atender as pessoas.  Afirmo isso porque acredito que qualquer profissão é uma reparação, ou seja, de alguma forma nos curamos através do nosso trabalho profissional, que vai nos desafiar de várias formas e também vai fazer florescer os nossos talentos, inclusive os mais ocultos.

Para mim, ser terapeuta é interagir com conhecimentos e técnicas, com a experiência, com a própria sabedoria e espiritualidade e buscar aplicar tudo isso, na prática, da forma mais simples possível.

Penso que a desqualificação do terapeuta desestrutura a vida do terapeuta e a vida do cliente.  Um terapeuta despreparado pode desestruturar tanto o seus chackras quanto os chakras do cliente.  Ter boas intenções, um bom coração, não é suficiente para lidar com a energia e a história do outro.  É preciso trabalho interior, treino, consciência e auto-responsabilidade pelo processo de se tornar e ser terapeuta.

Um dos principais desafios do terapeuta é estar preparado para aceitar o sofrimento do outro.  Mesmo porque, cada um vive o seu processo, ninguém pode viver o processo de outra pessoa.  Quando atendo o meu cliente, tenho sempre em mente que eu jamais poderei fazer por ele (a) o que ele(a) mesmo(a) tem que fazer.  Percebo que muitos terapeutas confundem compaixão com ter que intervir na vida do cliente.  Acredito que terapeutas emaranham mais com os clientes do que clientes emaranham com terapeutas. Portanto, é preciso cuidado para que o terapeuta não se envolva energeticamente com os seus clientes.

Pela minha experiência, percebo que nem sempre o que o cliente fala é importante, porque ele pode estar falando apenas das suas interpretações sobre os fatos de sua vida.  Ou apenas encobrindo fatos que ele não tem coragem de expor.  Por isso, penso que o grande papel do terapeuta é ajudar a pessoa a voltar-se para ela mesma e não para as interpretações que ela faz dos acontecimentos em sua vida.

Assim, lidar com as emoções (que vem do ego) e as informações (ou bioinformações) que estão no campo da pessoa é outro grande desafio do terapeuta.  Quanto trato uma pessoa, estou tratando o campo dela que é composto de energia e informação. Eu tenho que trabalhar em vários aspectos da vida da pessoa, que envolve vários campos sistêmicos.  Da mesma forma, o terapeuta tem que tomar muito cuidado com interpretações.  A interpretação é uma questão delicada nos processos terapêuticos. O terapeuta tem que olhar sentindo, tomar muito cuidado para não cair nas armadilhas da mente, que seduz, engana, ilude.  A interpretação e o excesso de compreensão tiram a força do cliente.  Exemplo:  quando um terapeuta explica demais pode bloquear o campo que está sendo tratado.

Trabalhando várias áreas do campo

Todo terapeuta, uma vez que se dispõe a atender outras pessoas, precisa, antes de mais nada, conseguir, dentro do seu processo pessoal, limpar e curar tudo o que os clientes trazem, que, muitas vezes, é parecido com o que ele sente, pois isso é um chamado da vida para o terapeuta curar primeiro ele mesmo.  Caso contrário, o seu campo de atendimento ficará limitado às suas questões pessoais, que provocarão também limitações no seu campo de atuação como terapeuta.

É muito importante o terapeuta avaliar, constantemente, quais são essas questões, qual a sua responsabilidade nos processos que acontecem na sua vida e limpar essas informações do seu campo.  Também é fundamental o terapeuta  se trabalhar a ponto de não se identificar, para que se torne apenas um instrumento de cura, sem acionamentos emocionais nele mesmo.

Outro cuidado que o terapeuta precisa tomar é o de não alimentar preocupações com o seu cliente, porque a preocupação é uma forma-pensamento que mais atrapalha do que ajuda.  Quando surgem situações difíceis com o cliente, é muito importante estar atento(a) à compreensão e não ao sofrimento ou à preocupação.   A transformação acontece na ação.

É fundamental que o terapeuta se desconecte energeticamente do seu cliente, caso contrário trará problemas tanto para ele (a) quanto para o cliente, como, por exemplo, a dependência.  Com a experiência, o terapeuta vai desenvolvendo uma percepção do campo do seu cliente, e percebe se ele está mais ou menos pronto para acelerar o seu processo de autocura.  O trabalho de um terapeuta tem que ser consciente.  Inclusive para ele se desconectar do cliente.

Entendo que um terapeuta tem que ter força em seu campo (energético e informacional) para sentir-se merecedor e em condições energéticas de atender o seu cliente, como um facilitador.  Caso contrário, haverá a identificação e isso é nocivo tanto para o terapeuta quanto para o cliente.

Por isso, outro aspecto fundamental na vida de um terapeuta é o quanto ele está conectado com a energia da prosperidade, qual é a sua compreensão de abundância, para que o seu campo pessoal possa atuar em níveis superiores.  O terapeuta não atende só com a sua mente.  Ele atende principalmente através da energia do campo.  Assim, no processo de atendimento é necessário atenção e cuidado com as energias intrusas.  Elas costumam se instalar quando a verdade que o campo do cliente traz é encarada de frente, trazendo o que ele precisa trabalhar prioritariamente.  Energias de abuso de qualquer natureza, por exemplo, são portas de entrada para energias intrusas.  Mergulhar na dor também dá espaço para energias intrusas.  Portanto, o terapeuta sempre precisa preparar-se energeticamente para as consultas e tratamentos de seus clientes.

A questão financeira é outro aspecto relevante nos processos terapêuticos.  Observo muitos terapeutas com dificuldades para lidar com a energia do dinheiro:  desde cobrar de forma justa e profissional pelo seu trabalho até administrar as suas finanças.  O terapeuta ajuda, facilita através do seu trabalho e é energeticamente recompensado com o dinheiro.  Ser terapeuta é uma missão e ele ganha dinheiro por consequência.

A auto-responsabilização é outro aspecto relevante de um processo terapêutico.  Tanto o terapeuta quanto o cliente têm responsabilidades a assumir. Alias, é mais fácil o terapeuta mexer no núcleo de problemas dos seus clientes do que nos seus próprios.  Por isso, penso que um terapeuta de verdade é aquele que consegue trabalhar com resultados para si mesmo.  Na medida em que eu me curo, eu ajudo a curar outras pessoas.

Nesse contexto estão as situações chamadas de “urgentes”.  Muitos clientes acreditam que porque pagam um terapeuta, o mesmo vai servi-lo dentro de qualquer necessidade.  Terapeuta não atende urgências.  Quem atende urgências são pronto socorros, hospitais, médicos. E o terapeuta precisa estar consciente de que ajudar o cliente é diferente de submeter-se ao cliente.

O terapeuta é um canal de cura e não é só por meio de palavras que ele age terapeuticamente.  As palavras servem para o esclarecimento.  O trabalho do terapeuta é no campo.  O terapeuta trata sistemas diversos que fazem parte da vida do cliente.  É a maturidade que vai trazendo ao terapeuta uma habilidade cada vez maior de lidar com o seu próprio campo e com o campo do cliente.  Quando estou no campo, estou em outro nível de consciência.  E inclusive posso perceber quando é o ego e quando é a essência do meu cliente que se manifesta.

Aprender a acionar o inconsciente do cliente é a questão de ser terapeuta.  O terapeuta tem que fazer uma estruturação de campo que vai abrir um portal, criar uma ressonância grande para que o campo do cliente possa ser conduzido a novas possibilidades.  O terapeuta sempre tem que estar atento sobre qual ressonância ele está criando nos seus clientes.  Se  os clientes me procuram com questões parecidas com as minhas, é um sinal de que preciso mergulhar nessas questões e tratá-las.  Uma mente poderosa não necessariamente é uma mente preparada.  Há mentes poderosas que penetram as pessoas.  Só ancorado é que o terapeuta pode ser benéfico.  Ou seja, criar ressonância momentânea, se retirar, se reestruturar e honrar a pessoa e a sua história.  O terapeuta tem que tomar muito cuidado para não alimentar o círculo vicioso de prender, aprisionar o cliente.  Terapia não é dependência.

Abrir o portal para novas possibilidades

Na minha visão, o terapeuta tem que estar sempre em formação! Mudar a si próprio, elevar a consciência e discernir sobre o que é preciso focar numa terapia é um grande desafio para o  terapeuta.   Um terapeuta não pode se perder em sua caminhada em nome de atender os seus clientes.  Ou seja, em primeiro lugar vem a caminhada do próprio terapeuta para, então, ele (a) ter condições de cuidar de outras pessoas. O terapeuta tem que olhar para os seus próprios processos dolorosos, ter uma disponibilidade interna para se fazer olhar, aflorar e curar por mais que isso doa…é um trabalho interior que vai até o fim da vida !

Tanto o terapeuta quanto o cliente precisam caminhar expressando sua vida com plenitude e amor. O terapeuta é um facilitador da cura, não a causa da cura.  Para mim, um bom terapeuta é aquele que, independente de conhecimentos, técnicas, protocolos, metodologias, ajuda a ampliar o nível de consciência do seu cliente.

Acredito que, independente de estarmos no papel de terapeuta ou cliente, todos nós estamos aqui para trazer algo libertador para nós e para o mundo.  Temos que ficar atentos para perceber os encadeamentos que o Universo faz para estarmos onde e com quem precisamos estar. Isso vale para terapeutas e clientes!  Ao mesmo tempo, nossos egos (nossas “certezas”) muitas vezes nos levam a caminhos que não necessariamente são saudáveis para nós. Portanto, orai e vigiai.  Interiorização e atenção.  Trabalho interior, hoje e sempre !

Resgatando uma Medicina Sistêmica: livro escrito pelo médico e professor Dr.José Irineu Golbspan

O livro Resgatando uma Medicina Sistêmica, de Dr.José Irineu Golbspan (Paraná, Brasil, 2016) é muito indicado para quem quer  compreender e refletir, à luz do conhecimento e da sabedoria, o que é a verdadeira ciência e a verdadeira medicina. Considero que seja uma obra escrita com muita honestidade, inteligência, cultura e experiência por este médico e professor.

Com muito afinco, o Dr. Golbspan entra em questões históricas, filosóficas, tecnológicas, científicas que nos fazem não só compreender melhor o que é a medicina baseada em uma nova ciência, como também ao que ela deve servir:  à saúde integral, à paz, à felicidade, ao amor e menos à dor, ao temor, ao rancor, ao controle, às estruturas energéticas de pensamento grupal.

Esse livro é uma luz para tantas interpretações errôneas de temas relacionados à medicina e à ciência, por desconhecimento e, arrisco afirmar, até por desinteresse, porque é mais cômodo simplesmente repetir o que se ouve na mídia do que ler e estudar sobre os assuntos que afetam a nossa vida pessoal e coletiva.

Leitura imperdível !

Para entender a radiônica: campos morfogenéticos

Calma! Eu explico! Morfo vem da palavra grega morphe, que significa forma; genética vem de gêneses, que significa origem. Rupert Sheldrake, um dos biólogos mais inovadores deste século, é o criador desse termo tão instigante. Na visão de Sheldrake, os genes estão mais para tijolos do que para projetos de engenharia, pois o material genético não é capaz de explicar, sozinho, a diversidade de formas complexas que os seres vivos assumem na natureza.

19676341 - illustration set of green ecology icons - vector

 

Na visão de Sheldrake, as formas da natureza estruturam-se por meio de campos de informação que trocam dados entre organismos através de ressonância. Esses campos de informação,  campos mórficos ou morfogenéticos são campos de forma, padrões, estruturas de ordem informacional, que organizam não só os campos de organismos vivos, como também de cristais e moléculas. Assim, cada célula, tecido, órgão e animal tem um campo mórfico, um conjunto de informações que guia seu desenvolvimento.

A ressonância mórfica é o mecanismo pelo qual os campos mórficos influenciam uns aos outros e dão origem a seres e sistemas cada vez mais complexos. É um processo de transferência de informação que atravessa o tempo e o espaço. No entanto, quanto mais próximos forem os indivíduos, mais intensa a ressonância mórfica será. Por exemplo: uma pessoa tem ressonância mórfica mais intensa com um parente do que com um indivíduo desconhecido, que mora em outro país.

Através da ressonância mórfica, as informações são passadas entre os campos mórficos. Todos os campos mórficos se comunicam em algum nível. Campos mais complexos contem as informações dos campos mais simples, por exemplo, o campo de um ser humano: ele contém as informações dos campos de órgãos, tecidos, células e átomos que o compõem. Essa interação entre os campos é capaz de provocar mudanças de hábitos a partir da repetição de padrões.

cura

Sheldrake afirma: “os campos morfogenéticos ou campos mórficos são campos que levam informações, não energia, e são utilizáveis através do espaço e do tempo sem perda alguma de intensidade depois de ter sido criados. Eles são campos não físicos que exercem influência sobre sistemas que apresentam algum tipo de organização inerente.”

Os campos mórficos são construídos pela repetição de padrões de comportamento ou desenvolvimento. O termo “inconsciente coletivo”, criado pelo psiquiatra e psicanalista Carl Gustav Jung, pode ser mais compreendido através da teoria dos campos mórficos, pois é a camada mais profunda da psique onde estariam traços visuais e formas herdadas de seres humanos e outros organismos ancestrais. Na dimensão humana, o intercâmbio de informações por ressonância mórfica explica fenômenos como telepatia e intuição.

Segundo Sheldrake, há vários tipos de campos mórficos, tais como os campos sociais, que regem a forma de organização social, de cupinzeiros, de enxames de abelhas a sociedades humanas, os campos comportamentais, que guiam os comportamentos dos indivíduos, a memória, que também seria um campo mórfico e armazenaria, fora do cérebro, informações e lembranças reunidas pelo indivíduo ao longo da vida.

De acordo com a teoria de Sheldrake, os campos influenciam a nossa saúde, ou seja, as próprias doenças tem seus campos mórficos. Por exemplo, o mal funcionamento do organismo das pessoas de uma família com histórico de doenças ligadas a hábitos ruins impactará negativamente, por ressonância mórfica, no funcionamento dos organismos de seus descendentes. Em outras palavras, hábitos não saudáveis mantidos ao longo de gerações tendem a reforçar a incidência de campos mórficos de doença sobre as gerações futuras ate que a cadeia seja, um dia, quebrada e, por recorrência, hábitos saudável criem um novo padrão no campo mórfico, que será passado às gerações futuras por ressonância mórfica.
Assim, para combater as doenças, temos que diminuir a influência dos campos mórficos dessas doenças sobre o nosso organismo .

quantec_02Uma das formas seria por medicamentos quânticos (que agem por vibração) ou equipamentos como o Quantec, de biocomunicação instrumental, que estimulam o corpo a acessar campos sadios, visando facilitar a recuperação de órgãos e tecidos doentes, por exemplo. Ou seja, as terapias integrativas e complementares incorporaram o princípio dos campos mórficos, visando eliminar ou reduzir a influência de campos mórficos de doença ou distúrbios em campos sadios.

É sempre importante lembrar que as terapias complementares não substituem tratamentos médicos, e sim, são complementos.

Fonte de Pesquisa: materiais e revista Quantum Life agosto 2016.

A BIORRESONÂNCIA NA PRÁTICA

Em meu trabalho utilizo o método QuantumBio, estruturado num sistema terapêutico criado pelo Prof.Kunio Inamoto, intitulado Terapia OrtoBiomolecular.

A Terapia OrtoBiomolecular é uma técnica terapêutica que visa o equilíbrio biofísico e da energia quântica. Ela  tem como base a Biorressonância associada ao sistema francês de Ménétriér (Anamnese) em Ortomolecular.

Biorressonância é uma análise de perfil energético.  Enquanto a Biorressonância avalia as substâncias e energauraia nos seres vivos, a Ortomolecular investiga e trata as deficiências minerais e de vários oligoelementos que, em falta ou excesso, causam desequilíbrio e desordens orgânicas.

Os principais objetivos da Terapia OrtoBiomolecular são:

  • Identificar e eliminar os parasitas e microorganismos indesejáveis;
  • Identificar e modular metais tóxicos;
  • Identificar e modular a intolerância alimentar e medicamentosa;
  • Identificar e modular a radiação;
  • Avaliar e tratar os sistemas orgânicos;
  • Restabelecer a homeostase quântica do indivíduo, visando a recuperação de sua saúde.

Através da Biorressonância e da Ortomolecular inseridas na OrtoBiomolecular, é possível investigar como está o organismo e neutralizar todas as toxinas que estão impedindo a pessoa de viver de forma saudável e plena.

Com o uso de um aurameter e um kit com mais de 50 testadores, calibrados com padrões Aurameterquânticos específicos,  eu real
izo uma diagnose em meu cliente – processo que é diferente de diagnóstico, pois este só os médicos podem fazer, contando com todo um aparato clínico.

Diagnose são parâmetros, referências que levam a uma visão sindrômica da pessoa.  A diagnose levanta tendências.  Desta forma, o meu cliente fica mais consciente de seus desequilíbrios e pode, então. decidir por um caminho de cura, escolhendo um médico adequado às suas necessidades, com muito mais confiança e contando  ainda com as terapias integrativas e complementares que eu e outros terapeutas podemos oferecer.   Além disso, com base na diagnose, posso indicar ao meu cliente produtos quânticos para dar os primeiros passos terapêuticos de um tratamento pelo Método QuantumBio.

Fonte de pesquisa:  materiais informativos QuantumBio

VOCÊ CONFIA NO SEU CORPO?

Nosso corpo é um verdadeiro milagre.  O tempo todo está tentando se adaptar ao ambiente, aos nossos hábitos, ao nosso estilo de vida, a todos os tipos de agressões e, sem nos darmos conta, toma o comando e cria situações como a febre para evitar algo pior do que o que estamos passando.

aura

Nosso corpo é formado por células.  Uma célula é formada por diversas moléculas.  Como afirma Karen Bergh, “nosso corpo é composto de moléculas. Quando os átomos dentro dessas moléculas agem em conjunto, quando se unem, quando compartilham o elétron, quando trabalham como uma unidade, nós temos saúde”.

As nossas células muitas vezes “gritam” para nos alertar sobre algo que não estamos enxergando ou que teimosamente insistimos em fazer.  Um barulho na mente, por exemplo, pode ser um recado de nossas células dizendo:  “pare de fazer isso ! ”.  Temos que estar atentos e fortes para ouvi-las e interpretá-las, para que nossa consciência tome as rédeas de uma situação difícil, uma doença, uma dor ou qualquer situação cujo enfrentamento é muito importante para a nossa vida.  Se não conseguimos, nossas células, então, tomam a dianteira.

Como afirma Ruth Berger, em seu livro Medicina Intuitiva, “células são guardas da energia, que estão trabalhando no corpo o tempo todo”.  Elas tentam dizer a nós muitas coisas, relacionadas ao que está verdadeiramente acontecendo conosco.  Quanto mais ignoramos as nossas células, mais dor e sofrimento nosso corpo vai vivenciar.  Porque, por não serem ouvidas, as nossas células sofrem.  E quando sofrem, somos diagnosticados com doenças, como o câncer.

imagens-apto-dj-fotos-diversas-erika-mammy-pauba-nov-2013-040

Cirurgias e tratamentos alopáticos ajudam a reduzir o sofrimento, mas nunca responderão qual é a origem da doença, onde e por qual razão começou.  É preciso estudar, ir atrás da causa raiz de uma doença para compreendermos os nossos problemas de saúde. As terapias integrativas e complementares têm um papel fundamental nesse processo.

Aprender mais sobre nós mesmos e nossos desequilíbrios; descobrir e fazer escolhas das melhores terapias para nós; pesquisar, estudar, compartilhara informações e experiências; e ouvir a nossa intuição. Estas são atitudes  fundamentais para o nosso caminho de cura.